Netanyahu promete cooperação para consolidar aliança entre Israel e África

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, e o presidente do Quénia, Uhuru Kenyatta, em Nairóbi (afp_tickers)

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, prometeu nesta terça-feira, no Quénia, aumentar a cooperação em termos de segurança, no segundo dia de sua histórica viagem pela África, buscando reafirmar sua presença em um continente que, durante décadas, voltou-lhe as costas

“Trabalhando juntos podemos vencer ainda mais rapidamente a praga que é o terrorismo”, disse Netanyahu em colectiva de imprensa em Nairóbi, após se reunir com o presidente queniano, Uhuru Kenyatta.

“Experimentamos ataques similares em nossos países”, disse o primeiro-ministro israelita, fazendo referência ao ataque contra o shopping center de Westgate, em 2013, que deixou 67 mortos.

Netanyahu, que chegou à África na segunda-feira para participar de uma mini-cúpula regional em Uganda sobre segurança e terrorismo junto com os chefes de Estado do Quénia, Ruanda, Etiópia, Sudão do Sul, Zâmbia e Malawi, voltou a colocar este tema na agenda.

“O resultado prático de nossa cooperação pode ser mais segurança e mais prosperidade”, acrescentou Netanyahu, que classificou como “histórico” seu deslocamento, que na quarta-feira o levará a Ruanda e na quinta à Etiópia.

Esta é a primeira viagem de um primeiro-ministro israelita ao continente em décadas.

Em sua delegação, Netanyahu incluiu 80 homens de negócios e conseguiu fechar acordos em matéria de gestão de águas, saúde pública e imigração. Ainda que o aspecto diplomático seja o que mais ressalta na visita.

Nesta viagem, Israel busca ganhar o apoio dos países africanos nas instituições internacionais, onde o Estado hebreu recebe duras críticas pela ocupação dos territórios palestinianos ou por suas actividades nucleares.

O comércio de Israel com a África representa 2% do comércio exterior, com uma ampla margem para avanço, em um momento que cresce a demanda de seus produtos e de sua experiência no âmbito de segurança.

– Relação difícil –

“Como continentes, temos uma relação difícil com Israel”, disse Uhuru Kenyatta. “Mas o mundo mudou e não podemos viver no passado”, assinalou.

Na década de 1960 muitos países africanos se distanciaram de Israel após as guerras do Estado hebreu e seus países vizinhos entre 1967 e 1973, e pelos vínculos entre o governo com o regime de apartheid na África do Sul.

A respeito da luta antiterrorista, Kenyatta disse que “Israel teve que fazer frente a esta ameaça há muito tempo”, elogiando a experiência do país ao dizer que pode contribuir para o Quénia, especialmente em âmbitos como a formação, o progresso tecnológico e a troca de informação.

“Não vamos poder assegurar o desenvolvimento económico que desejamos para nosso povo se não pudermos assegurar a segurança de nossa nação”, afirmou o presidente, que convidou Netanyahu para visitar o país durante uma viagem por Israel em Fevereiro.

Na segunda-feira Netanyahu participou em Uganda de uma cerimónia solene para comemorar a operação Entebbe, uma acção de resgate para libertar os passageiros do voo sequestrado pelos palestinianos e alemães, onde seu irmão morreu há quarenta anos. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA