Movimento “Fora Temer” reúne centenas de brasileiros no exterior

Place de la République: movimento Nuit Debout cede espaço ao "Fora Temer". (A.Brandão/RFI Brasil)

Manifestações de apoio à presidente afastada Dilma Rousseff e repúdio ao presidente interino Michel Temer foram organizadas neste domingo (30) em pelo menos sete cidades da Europa e em Washington, nos Estados Unidos.

As manifestações, na sua maioria convocadas pelas redes sociais, aconteceram em Berlin e Leipzig, na Alemanha; em Madri e Barcelona, na Espanha; em Amsterdam, na Holanda; em Lisboa, Portugal; e em Paris, na França.

Em Paris, os manifestantes se reuniram na Place de la Republique, reduto tradicional da esquerda francesa, onde está instalado, desde março, o movimento francês Nuit Debout (contra a reforma das leis do trabalho).

Organizado pelo Movimento Democrático 18 de Março (MD18), o ato “Fora Temer” de Paris recebeu a adesão de vários brasileiros que permaneceram na cidade apesar das férias de verão, quando boa parte da população deixa a capital.

Entre chegadas e partidas, um número médio de 80 pessoas participou da manifestação, ouvindo uma série de discursos contra o processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff.

Uma das manifestantes leu trechos da entrevista exclusiva de Dilma Rousseff para a RFI Brasil, realizada no dia 25 de julho.

STF divulga calendário de votação no Senado

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, informou neste sábado (30) que o início do julgamento de impeachment de Dilma deve ser no dia 29 de agosto. A expectativa é de que o julgamento se prolongue por uma semana. A presidente afastada já apresentou sua defesa ao Senado na semana passada e negou ter cometido crime de responsabilidade.

A denúncia do impeachment acusa Dilma de duas irregularidades. A de ter editado decretos que ampliaram a previsão de gastos do Orçamento sem autorização do Congresso, em um momento em que o governo tinha dificuldade de atingir a meta fiscal. Ela também é acusada de ter cometido crime de responsabilidade com as chamadas “pedaladas fiscais” no Plano Safra, programa federal de financiamento agrícola executado pelo Banco do Brasil. (RFI)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA