Ministro britânico diz não poder dar garantias a recém-chegados da UE

(DR)

O ministro britânico encarregado da saída da União Europeia (UE) afirmou não poder garantir que os imigrantes europeus que chegam a partir de agora até à saída oficial do bloco terão direito a permanecer no Reino Unido.

Numa entrevista ao Mail on Sunday, publicada hoje, David Davis diz que vai negociar com os líderes europeus para “assegurar uma solução generosa” para os imigrantes da UE que se encontram atualmente no Reino Unido e para os cidadãos britânicos na UE, mas não deu as mesmas garantias para recém-chegados.

David Davis, antigo secretário de Estado para os Assuntos Europeus nomeado pela primeira-ministra britânica, Theresa May, para as negociações com a UE disse que “há uma série de possibilidades”, referindo-se aos planos para lidar com o previsível “aumento” de chegadas antes do ‘Brexit’.

“Talvez tenhamos que definir que o direito à proteção da residência permanente apenas se aplica até antes de determinada data. Mas temos de fazer essas avaliações sobre a realidade, não sobre especulação”.

O Reino Unido tem de respeitar as regras de liberdade de movimento da União Europeia até à sua saída oficial do bloco, mas terá depois o controlo sobre quem fica no país, incluindo sobre os que chegaram antes do ‘Brexit’.

David Davis indicou que o artigo 50 do Tratado de Lisboa, que ativaria um calendário de dois anos para a saída do Reino Unido do bloco, não será invocado antes do início de 2017.

A Comissão Europeia recusa iniciar negociações antes de o artigo 50.º ser ativado, mas para o ministro do ‘Brexit’ um diálogo é inevitável.

“Nós não temos que fazer qualquer negociação, apenas encontrar os seus interesses”, disse David Davis ao mesmo jornal.

Recordando que o ministro dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson, vai participar, na segunda-feira, na reunião mensal dos 28 chefes da diplomacia europeia, em Bruxelas, perguntou: “O que é que eles lhe vão dizer: ‘Oh, não posso falar Boris Johnson consigo?’ Claro que não”, frisou David Davis.

Um jantar informal previsto para hoje entre os 28 chefes de diplomacia europeia para falar da saída do Reino Unido foi, todavia, cancelado.

A 23 de junho, os eleitores britânicos decidiram em referendo que o Reino Unido deve sair da UE, depois de o ‘Brexit’ (nome como ficou conhecida a saída britânica da União Europeia) ter conquistado 51,9% dos votos. (Noticias ao Minuto)

por Lusa

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA