Lulas da Paixão recorda “quetas” do antigamente na Trienal

Músico Lulas da Paixão, a grande atracção de hoje na Trienal de Luanda. (Foto: Fotos de Francisco Miudo)

O músico e compositor Lulas da Paixão será a atracção de hoje, sexta-feira, às 21 horas, no Palácio de Ferro, onde vai cantar as canções que marcaram a sua carreira de mais de 50 anos, no quadro da III Trienal de Luanda.

Num palco que já virou tradição, o artista vai viajar no tempo com o intuito de relembrar os temas “Nguami maka”, “Garan”, “Nga quinga Nga lembua” entre outros sucessos, que dominaram as pistas de dança em épocas idas.

Essa viajem será possível com o suporte musical dos músicos Rabuni Josué (teclado), Cláudio Clic Clac (guitarra solo), Benjamim Tomás (guitarra baixo), Zé Luís (guitarra ritmo), Xalita Carlos (bateria), Esteves Bento (percussão), Lolito da Paixão (coro) e Fred Sandyo (coro).

Considerado um dos maiores compositores de Angola, Lulas da Paixão é detentor de uma trajectória inequívoca, visto que a sua musicalidade congrega a etnografia e a linguística que caracteriza o povo angolano, em particular, axiluanda, pelo que promete muitas surpresas no show de hoje.

Nascido a 11 de Novembro de 1946, na Ilha do Cabo, em Luanda, o artista começa a sua carreira artística como vocalista do grupo “A Caravana” em 1957. Mas é em 1968, que se notabiliza como músico no extinto “Musangola”, inserido no projecto musico-cultural “Kutonoka”.

Enquanto compositor, Lulas produziu músicas para Carlos Burity (Mukagiami, Lolito), Pedrito (Nga Kinga), António Paulino (Ti Chico II), entre outros.

Além de Lulas da Paixão, a programação desta Sexta-feira, 29 de Julho, conta com a rebita dos Novatos da Ilha, a percussão dos Kituxi e o afro-house dos Dj’s Braúlio Silva e Dr. Renas, este último inserido no projecto Warriors.

Iniciada em Novembro de 2015, a Trienal de Luanda (TL) é um exercício que se contrapõe à violência, respeita a diferença, redimensiona e valoriza o próximo, enquanto sujeito artístico de acção, tendo como objectivo o resgate, através das Artes Visuais e Plásticas. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA