Cuanza Norte: Estratégia de culturas aliementares traça incremento da produção

Produção de arroz em alta (arquivo) (Foto: Morais Silva)

A estratégia de intensificação de culturas alimentares, na província do Cuanza Norte, perspectiva o incremento da produção de arroz, cujo cultivo desse cereal encontra-se em fase experimental, na comuna do Luínga, município de Ambaca.

Os dados constam do “Programa de desenvolvimento estratégico reajustado para o período de 2016-2022”, do Governo provincial do Cuanza Norte, recentemente aprovado por aquele órgão colegial e a que à Angop teve acesso.

De acordo com o referido plano, no âmbito da referida estratégia, o Governo da Província vai aumentar nos próximos cinco anos, a produção de arroz, passando dos actuais mil e 500 quilogramas por hectare, para dois mil e 500 quilos em igual extensão.

O documento espelha que tal incremento será efectivado com a lavoura de mil hectares de terra envolvendo igual número de famílias, introdução de novas variedades deste cereal e o melhoramento das técnicas de cultivo.

Estudos indicam que a cultura de arroz, em experimentação na localidade do Luínga, está bem adaptada graças as condições de controlo de água, através de rega e drenagem criadas para o efeito.

A estratégia prevê igualmente o aumento da produção de diversos produtos alimentares como milho, amendoim, feijão, mandioca, entre outras, e tem por objectivo melhorar a produtividade e a produção das culturas da região, incentivar a recuperação das antigas culturas, bem como a introdução de novas através de medidas factíveis e de custos relativamente moderados.

Assim, o plano prevê também o aumento do cultivo de feijão de 300 quilogramas por hectare para 500, de 300 de amendoim para 800 quilos por hectare, a batata- doce de 10 para 22 mil e 500 toneladas/ hectare e de seis para mil e 800 toneladas/hectare de batata-rena.

O documento refere que serão igualmente incentivados o aumento das culturas de mandioca, girassol, soja, banana, café, palmar, bem como de citrinos.

O Plano Estratégico de Desenvolvimento da Província Reajustado, para o período 2016-2022, contempla 829 acções de curto, médio e longo prazo nos domínios do desenvolvimento sócio-cultural e económico, desenvolvimento territorial e institucional, bem como das infra-estruturas habitacionais e viárias.

O referido instrumento privilegia os sectores da agricultura e do turismo estabelecendo, entre outros objectivos, tornar a província um potencial produtor de excedentes agrícolas, nomeadamente, de cereais e pecuários, valorizando os perímetros irrigados e a agricultura tradicional.

Contempla ainda o desenvolvimento de um tecido industrial de transformação de produtos agropecuário e de abastecimento de mercados de consumo, com base nos polos industriais que estão a ser desenvolvidos nos municípios de Cambambe, Lucala, Ambaca e Golungo Alto. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA