Benguela: DIFAMU defende maior dignidade as gestantes portadoras do HIV

Benguela: Maria do Céu - Directora provincial da Família e Promoção da Mulher (Foto: Rosário Miranda)

A directora provincial da Família e Promoção da Mulher em Benguela, Maria do Céu apelou segunda-feira, a defesa da dignidade da mulher gestante portadora do Hiv/Sida, acamadas na maternidade do Hospital Geral de Benguela, de forma a aliviar o sentimento de abandono e combater a discriminação que na maioria das vezes estão acometidas.

A responsável que chefia uma delegação, falou Angop, à margem de uma visita que efectuou aquela unidade hospitalar, no âmbito da jornada da Mulher Africana/2016, explicando que tal apelo vai no sentido de responder as reclamações sobre o deficiente atendimento prestado as mulheres, fundamentalmente, as gravidas portadora do Sida, facto que tem contribuído para o afastamento de serviços da maternidade considerada de referência na circunscrição.

Conforme disse, atender e garantir assistência médica e medicamentosa a maior número de gestantes é o desafio do governo local de forma a reduzir novas infecções as gravidas e evitar mortes materno-infantil, através do sistema da prevenção de transmissão vertical, em curso nos país.

Soube-se que, 20 parturientes portadoras do Hiv/Sida encontram-se internadas na maternidade do HGB, aguardando pelo parto, após a testagem do vírus.

A delegação que integrava líderes de associações femininas e religiosas visitou as áreas de ginecologias, obstretecia, cirurgia e partos, no qual receberam explicações do director clínico, Adão Barros, com o fito de inteirar-se do seu funcionamento, dificuldades e também da existência de casos de parturientes adolescentes.

Maria do Céu recordou que, o MINFAMU promove desde o ano passado campanhas e colóquios de sensibilização em escolas sobre noções elementares sobre a gravidez precoce e as suas consequências, devido o número crescentes de casos, cujo número escusou-se a revelar.

Sob o lema “A defesa dos direitos das mulheres para a promoção da democracia e Paz” a jornada da Mulher Africana/2016, que iniciou no dia 7 de Julho, prevê ainda a realização, nas cidades do Lobito e Catumbela de workshops sobre o “empoderamento da Mulher em liderança na perspectiva do género e actividades recreativas e culturais”. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA