Angola passará a elaborar o seu Relatório de Desenvolvimento Humano

Edifício do MIREX (Ministério das Relações Exteriores) (Foto: Clemente Santos)

Durante este mês de Julho, o Ministério do Planeamento e Desenvolvimento do Territorial, vai realizar uma formação que permitirá a elaboração do próximo Relatório de Desenvolvimento Humano de Angola.

De acordo com uma nota de Imprensa do Ministério das Relações Exteriores, os seminários desta capacitação serão coordenados pela economista sénior do PNUD, Glenda Gallardo com a cooperação do Instituto José Pinheiro de Brasil.

A formação que beneficiará em dois momentos distintos funcionários do Governo e da sociedade civil é realizada no Instituto Nacional de Administração para o Desenvolvimento – INAD.

A sessão de abertura, presidida por Rui Augusto Tito, Secretário de Estado para o Investimento Público, ladeado por Paolo Balladelli, Coordenador Residente do Sistema das Nações Unidas em Angola e Representante do PNUD, contou com a participação dos delegados dos Ministérios do Governo Angolano e dos técnicos do PNUD.

‘O Índice de Desenvolvimento humano nasce como contraponto a outro indicador do desenvolvimento, o PIB per capita que só tomava em consideração a renda – relembrou Balladelli aos assistentes.

‘O objectivo deste governo e do desenvolvimento humano é de criar um ambiente que permita que as pessoas desfrutem de uma vida longa, saudável e feliz, que possam desenvolver o seu projecto de vida e de nação, economicamente sustentável, em paz, diminuindo as desigualdades evitáveis na população’.

De realçar que este treinamento intersectorial do Executivo, será posteriormente complementado por outro seminário técnico dirigido aos membros da sociedade civil.

Esta acção tem como principal objectivo dotar os participantes de conhecimento e habilidades para a elaboração do Relatório de Angola de acordo com às metodologias e padrões internacionais, e irá abordar tanto os aspectos conceptuais como a construção dos índices.

Também permitirá concordar sobre o roteiro de preparação do Relatório Nacional de Desenvolvimento Humano.
Este Relatório será de suma importância para o país, pois irá colmatar lacunas no âmbito da evidencia sobre renda, expectativa de vida e media de educação que compõem o Índice de Desenvolvimento Humano.

De igual modo procurarám-se calcular os Índices de Desenvolvimento Humano Ajustado à Desigualdade (IDHAD), da Desigualdade de Género (IDG) que reflecte desigualdades com base no género em três dimensões – saúde reprodutiva, autonomia e actividade económica e de Pobreza Multidimensional (IPM) que identifica privações múltiplas em educação, saúde e padrão de vida nos mesmos domicílios. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA