Abertura dos mercados: Bolsas no vermelho. Euro e petróleo em alta

(Negocios)

As bolsas europeias estão a negociar em terreno negativo, com o PSI-20 a liderar as perdas. O euro sobe e os preços do petróleo valorizam.

Os mercados em números

PSI-20 recua 0,57% para 4.627,34 pontos

Stoxx 600 cede 0,06% para 340,73 pontos

Nikkei desceu 1,43% para 16.383,04 pontos

“Yield” da dívida de Portugal a 10 anos soma 0,2 pontos base para 3,032%

Euro sobe 0,11% para 1,1007 dólares

Petróleo cresce 0,27% para 44,84 dólares por barril em Londres

Bolsas europeias recuam

As principais praças europeias estão a negociar sobretudo em queda. O PSI-20 é o índice que mais perde, recuando 0,57%, seguido pelo francês CAC 40, que desliza 0,26%. O Stoxx 600, índice de referência, cede 0,06%. A escapar a esta tendência está o índice britânico Footsie, que soma 0,41%, e o germânico DAX, que cresce 0,13%.

Na Ásia, as praças nipónicas encerraram no vermelho, penalizadas sobretudo pelas acções ligadas ao sector exportador. Na China, as acções cotadas em Hong Kong estão em alta, impulsionadas pelas empresas do sector do jogo.

Juros sem tendência definida

Os juros da dívida pública portuguesa estão a negociar sem uma tendência definida no mercado secundário. A dez anos, o prazo considerado de referência, as “yields” soma 0,2 pontos base para 3,032%. No caso da dívida alemã a dez anos, os juros exigidos pelos investidores para trocarem dívida entre si descem 1,4 pontos base para -0,055%. O prémio de risco está nos 305,2 pontos.

Libra desce. Iene sobe

A libra está a descer face às principais pares depois de ter sido reportado que Martin Weale, membro do Banco de Inglaterra, é agora favorável à introdução de estímulos imediatos na economia britânica. Em relação ao dólar, a libra desvaloriza 0,39% para 1,3089 dólares. Face à moeda da Zona Euro, a libra desce 0,52% para 1,1888 euros.

Ainda em destaque no mercado cambial está o iene. A moeda nipónica está a aproximar-se do maior ganho num mês, numa altura em que o mercado especula sobre a intensificação de estímulos no Japão.

O euro soma 0,11% para 1,1007 dólares.

Petróleo interrompe quedas

Os preços do petróleo estão a subir nos mercados internacionais, aliviando assim das quedas recentes. A impulsionar a negociação da matéria-prima está o facto de o mercado esperar que os dados relativos às reservas nos Estados Unidos mostrem uma queda nas reservas, o que, a concretizar-se, ajudará a diminuir o excesso de oferta mundial de petróleo. O West Texas Intermediate soma 0,12% para 43,18 dólares por barril. O Brent do Mar do Norte, que serve de referência para as importações nacionais, sobe 0,27% para 44,84 dólares.

Ouro em alta à espera da Fed

O ouro está a subir, pela primeira vez em três dias, numa altura em que os investidores esperam pelo encontro do banco central do Japão e da Reserva Federal dos EUA. O ouro, para entrega imediata, soma 0,30% para 1.319,56 dólares por onça.

Destaques do dia

Gestão da CGD exige pedido escrito para ficar em Agosto. O Ministro das Finanças já foi à Caixa pedir à actual administração para ficar até à chegada de António Domingues. Equipa de José de Matos exigiu pedido escrito e só depois responde, como revela o administrador Paz Ferreira. Centeno acredita em “transição tranquila”.

João Leão: “Bruxelas ficou surpreendida pela positiva com a execução”. O responsável pelo orçamento do Governo do PS diz que as equipas da Comissão Europeia e do BCE saíram de Portugal em Junho bem impressionadas com a evolução das contas públicas.

Preço das casas trava crescimento. A avaliação bancária voltou a aumentar, tocando máximos de quatro anos e meio. Mas já esteve a crescer mais. O ritmo de expansão ficou bastante aquém do registado no ano passado. Uma evolução que é ainda mais evidente na região de Lisboa.

Lucros da EDP Renováveis caem 15% no primeiro semestre. A energética encerrou os primeiros seis meses do ano com lucros de 58,8 milhões de euros, que comparam com 69,4 milhões de euros um ano antes. Contudo, o resultado líquido ajustado cresceu 9%.

Navigator fecha semestre com lucros de 85,5 milhões, menos 15%. A empresa que sucedeu à Portucel fechou o período de Janeiro a Junho com um resultado líquido de 85,46 milhões de euros, que compara com os 100,5 milhões de euros um ano antes, um recuo de 15%.

Lucros do BCP na Polónia crescem 31,5% até Junho. O Bank Millennium, de que o BCP detém a maioria do capital – 50,1 % – fechou o primeiro semestre do ano com resultado consolidado de 431 milhões de zlotis (98,4 milhões de euros), mais 31,5% que no mesmo período de 2015.

O que vai acontecer hoje

Resultados nos EUA. Empresas como a Apple, Twitter, Verizon e BP divulgam as suas contas relativas o primeiro semestre do ano.

Arranque de resultados em Lisboa. EDP Renováveis, Navigator (esta manhã) e BPI (depois do fecho) inauguram os resultados na praça portuguesa.

Números do Banco de Portugal. São divulgadas as estatísticas de empréstimos concedidos pelo sector financeiro, relativas a Junho.

Indicadores na Alemanha. É conhecido o índice Ifo, que mede a confiança dos empresários, em Junho [anterior: 108,7 pontos].

Dados nos EUA. Serão conhecidos o Índice S&P/Case-Shiller de preços na habitação, relativo a Maio, bem como a confiança dos consumidores em Julho. (Jornal de Negociios)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA