TV Record grava capítulos da novela “Terra prometida” em Angola

(DR)

Capítulos da novela “Terra Prometida” serão gravados em Angola, nas cidades de Luanda, ao longo do rio Kwanza, e na província do Namibe (mais propriamente no deserto da referida parcela do país), disse quarta-feira, em Luanda, o director executivo da TV Record África, Fernando Teixeira.

Segundo o responsável, que falava em conferência de imprensa, a escolha destes locais em Angola aconteceu de forma natural, não só pelo facto de representarem duas das mais emblemáticas maravilhas do país e por serem locais muito semelhantes com os descritos nas escrituras sagradas.

O responsável salientou que o projecto começou em Março deste ano quando uma equipa da TV Record se deslocou à província do Namibe no sentido de identificar um lugar para gravação da novela.

Escrita por Renato Modesto, a novela estreia, em Angola e no Brasil, em Junho e Julho do corrente ano, respectivamente.

O director executivo disse que no deserto do Namibe, uma das sete maravilhas do país e também o considerado mais antigo deserto do mundo, vão captar cenas que retratam os 40 anos que o povo Hebreu passou sobre as grandes dunas de areia. Já em Luanda será relembrada a travessia que o povo fez no rio Jordão.

A novela “ Terra Prometida” é a continuação da narrativa retratada na obra anterior “ Os Dez Mandamentos “ e conta a história de Josué, o filho espiritual de Moíses, que conduziu o povo de Deus até a Terra Prometida de Canaã depois de quatro décadas no deserto.

“ Este é um acontecimento especial para Angola, uma vez que uma novela brasileira terá cenas gravadas em solo angolano “, salientou o responsável.

Escrita por Renato Modesto, dirigida por Alexandre Avancini e produzida pela Rede Record, terá no elenco actores como Sidney Sampaio, Tais Melchior, Kadu Moliterno, Gabriel Gracindo, entre outros.

Durante sete dias a equipa da TV Record terá a missão de captar as imagens do cenário em Angola.

A TV Record é uma rede de televisão brasileira fundada em 27 de Setembro de 1953. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA