Terminou 6ª cimeira ordinária da CIRGL

Participantes a 6ª Cimeira dos Chefes de Estado e de Governo da CIRGL (Foto: F Miudo)

A 6ª Cimeira de Chefes de Estado e Governo da Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos ( CIRGL) realizada em Luanda, terminou os seus trabalhos após discussão profunda das questões agendadas.

O encontro decorreu sob orientação do presidente da República de Angola, José Eduardo dos Santos, na qualidade de presidente em exercício da CIRGL.

A reunião fez uma avaliação do exercício anterior de Angola na presidência da organização, bem como um balanço sobre a situação de paz e desenvolvimento da região, com destaque para a de países como a da RCA, RDC, Sudão do Sul e Burundi.

Entre as figuras de destaque desta 6ª Cimeira dos Chefes de Estado e de Governo da CIRGL estão os estadistas José Eduardo dos Santos (Angola), Joseph Kabila (RDC), Denis Sassou Nguesso (Congo), Yoweri Museveni (Uganda) e Jacob Zuma (África do Sul), este último na qualidade de observador.

Neste encontro Angola começou um novo mandato de dois anos , após ter cumprido o primeiro no período 2014-2015, do qual se espera com grande expectativa que sejam concluídos, com êxito, o processo de pacificação da região e se dê início, finalmente, as iniciativas de investimentos do sector privado para o desenvolvimento da região.

Destaca-se nesta cimeira a eleição do novo secretário executivo da CIGRL, o queniano Zacarias Mubury Muyta, que substitui Ntumba Luaba, que cumpriu mais de quatro anos de mandato.

O novo secretário executivo da organização ora eleito afirmou que “Angola é o único estado membro da CIRGL com o pagamento das quotas em dia”.

Neste caso exortou os demais países integrantes da região a seguirem o mesmo exemplo, com vista a melhorar o funcionamento do secretariado da CIRGL, tendo elogiado os esforços desenvolvidos pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, durante o mandato nas funções de Presidente em exercício do órgão regional .

No concernente às novas linhas de força para o seu mandato, Zacarias Mubury Muyta fez saber que vai continuar a dar seguimento ao trabalho do seu antecessor, fundamentalmente nas questões que se prendem com o combate à pobreza, as forças da rebelião armada na RDC, aspectos ligados às ajudas humanitárias, bem como a busca de consensos para soluções pacíficas nos estados em conflitos.

Criada em 1994, após conflitos que se registaram na região, a CIRGL é constituída por Angola, Burundi, Zâmbia, República Democrática do Congo (RDC), República Centro Africana (RCA), República do Congo, Quénia, Uganda, Rwanda, Sudão do Sul, Sudão e Tanzânia. (ANGOLA)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA