Sub-20: Palanquinhas esboçam jogo com Egipto

Palanquinhas (Foto: Angop)

A Selecção Nacional de Sub-20 regressa hoje, às 9h00,  no Estádio Municipal dos Coqueiros, ao trabalho de preparação para o jogo do dia 8 de Julho diante da congénere do Egipto, no Cairo, para a eliminatória qualificativa à fase final da 20ª edição do Campeonato Africano da categoria, a disputar-se no próximo ano na Zâmbia.

Ausente das últimas competições, os palanquinhas estão apostados em voltar a marcar presença na prova e resgatar o prestígio que foi beliscado com as ausências constantes, após a conquista do primeiro e único troféu em 2001, na Etiópia.

Para a eliminatória diante de um adversário com tradição em África, que já venceu em quatro edições, o combinado angolano tem a soberana oportunidade de concretizar o sonho que persegue, porém, antes tem de ultrapassar o “colosso” do futebol a nível do continente.

Depois de um ano de duplo fracasso da selecção de honras, ausência na fase final do CAN do Gabão 2017 e das eliminatória acesso ao Campeonato do Mundo da Rússia, em 2018, a esperança dos angolanos estão depositadas nestes jovens. Contudo, a tarefa não é fácil, também não é impossível, é importante preparar ao pormenor e com muita responsabilidade a contenda.

A presença dos Sub-20 na Taça Cosafa, disputada na Namíbia, onde competiu com as selecções seniores, é mais valia que Samy Matias e seus atletas aproveitam para encarar os egípcios, olho no olho, e disputar a qualificação de cabeça erguida sem quaisquer receios.

A operação “Cairo” começou a ser esboçada ontem, nos Coqueiros, que é o ‘Quartel General’ dos palanquinhas, o seleccionador nacional conta com a presença de todos os convocados, à excepção dos jogadores que actuam nas equipas do interior do país.

Depois de afastar, na eliminatória passada, a congénere do Gabão com um somatório de 3-1, no cômputo das duas partidas, 3-0, no jogo disputado em Luanda e derrota em Libreville, o objectivo é repetir a proeza e consumar o propósito traçado para esta campanha, que começou com êxito após  desistência do Tchad.

Os egípcios  afastaram o Rwanda, por 3-2, numa dupla jornada equilibrada. O vencedor foi encontrado na marcação de grandes penalidades. Pelo seu palmarés nesta prova, o Egipto é um adversário que exige muita concentração dos seus opositores.

A Selecção Nacional de Sub-20 para consumar os intentos que persegue, tem as condições de trabalho e apoio de quem de direito, que têm de ser proporcionais à responsabilidade que se exige e espera do grupo às ordens de Samy Matias.

JOGO DECISIVO
Seleccionador mantém crença
no apuramento

Com os níveis de confiança e motivação em alta, os palanquinhas estão confiantes numa boa prestação no assalto final desta campanha. São 15 dias, o tempo que Samy Matias e seus colaboradores têm para prepararem a empreitada.

Na sessão de hoje, segundo apurou o Jornal dos Desportos, o seleccionador nacional vai incidir a preparação na recuperação física do grupo com realce para os atletas que ontem disputaram mais uma jornada do campeonato provincial de Luanda.

A componente técnica e táctica, não é descurada pela equipa técnica, para tal os movimentos  ofensivos e defensivos merecem atenção especial, assim como a capacidade de interpretação dos atletas em função daquilo que se pretende para este jogo decisivo.

Para o duplo duelo com o Egipto, o seleccionador nacional convocou os guarda-redes, Landu, Josué e Jota – os defesas Mona, Tomé, Kinito, Pepe e Nandinho – médios Catraio, Nelson, Madinho, Miranda, GTI, Atanásio, Dax, Alem, Nuno e Kaleb-  ataque Amândio Franklim, Popo, Chabalala e Vladimir ‘Vá’.

O JD sabe que Samy Matias está a envidar esforços no sentido de ter contacto com os vídeos dos jogos da selecção do Egipto, para avaliar a qualidade do adversário, pontos fortes e debilidades. Com os dados que dispuser, o seleccionador nacional espera esboçar a melhor estratégia para contrariar o opositor.

Para o efeito, conta com o apoio da embaixada angolana naquela país, que predispôs-se a apoiar em tudo o que for necessário para o êxito da campanha, pois, que  orgulhe todo o país.Ainda assim, os palanquinhas não estão preocupados com o adversário.

A palavra de ordem no seio da única selecção com possibilidades ainda de marcar presença numa fase final da modalidade no próximo ano, é de crença num desfecho airoso. (jornaldosdesportos)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA