Projecto de apoio à pesca continental lançado em Luanda

Victória de Barros Neto - Ministra das Pescas (Foto: Gaspar dos Santos)

Um projecto de apoio à pesca continental e aquicultura comunal, avaliado em 12,1 milhões de dólares norte-americanos, foi lançado hoje, em Luanda, pela ministra das Pescas, Victória de Barro Neto.

O valor financeiro do projecto será repartido em USD 11, 1 milhões, financiados pelo Fundo de Internacional de desenvolvimento agrícola (FIDA), e um milhão de dólares norte-americanos, como contribuição do Governo angolano.

Na cerimónia de lançamento, a Victória de Barros Neto explicou que o projecto vai envolver mais de 15 mil famílias, das quais cinco mil são mulheres ligadas à actividade pesqueira, das províncias de Luanda, Cuanza Norte, Malanje e Bengo e tem um período de vigência de cinco anos.

“Estão criadas as condições para o arranque do projecto, essa cerimónia realizada hoje é para dar corpo a mais uma iniciativa do executivo materializando o facto de que o mais importante é resolver os problemas do povo”, disse.

A ministra acrescentou que esse projecto constitui um factor que propicia a prática da pesca continental e da aquicultura, sobretudo a comunal, com perspectivas de um franco desenvolvimento e que congrega inúmeras famílias, contribuindo dessa forma para a diversificação da economia nacional.

Acrescentou que o acordo assinado em 2015 é a concretização dos objectivos estratégicos do Executivo, que visam a segurança alimentar e fundamentalmente o combate à fome e a redução da pobreza.

“ Com investimentos cada vez maiores, a pesca artesanal em Angola é um dos subsectores em que registamos uma inserção bastante significativa de mulheres, praticando de forma activa e dinâmica a actividade piscatória nas comunidades”, acrescentou.

Por esta razão, a ministra disse ser necessário criar infra-estruturas de apoio à actividade, sensibilizar e organizar as comunidades e reforçar os recursos humanos.

O projecto de apoio à pesca continental e aquicultura comunal foi aprovado em Abril de 2015 e o acordo de financiamento assinado em Agosto do mesmo ano. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA