Perímetro Irrigado de Caxito aumenta produção de banana

(Foto: D.R.)

O consumo da banana em Angola aumentou exponencialmente nos últimos anos e hoje é praticamente impossível falar de uma eventual escassez deste produto. Mesmo em zonas mais afastadas dos grandes centros produtores, é possível encontrar banana nacional a preço acessível.

Mas nem sempre foi assim. Anos atrás, Angola chegou a consumir banana importada. Apesar do enorme potencial agrícola, tempos houve em que o cultivo da banana se resumia a pequenas iniciativas familiares, sem nenhuma expressão nem mesmo na economia local.
Os investimentos do Executivo, principalmente em infra-estruturas de apoio, como a criação de perímetros irrigados em várias regiões, permitiram impulsionar a produção da banana no país.

Foi precisamente fruto dessa aposta que em 2015 o país atingiu uma produção total de 3,6 milhões de toneladas.
Usufruindo das condições dos perímetros e de outros equipamentos, grandes e pequenos produtores conseguem superar as suas próprias marcas usando uma tecnologia avançada. Basta ver que os números de 2015 foram mais do que o dobro do que foi produzido nos dois anos anteriores.

Perímetros contribuem

O Perímetro Irrigado de Caxito é um bom exemplo do papel do investimento público nesse segmento de negócio. O Perímetro Irrigado de Caxito ajudou a impulsionar a produção de banana e é fruto disso que a província do Bengo  regista números expressivos de cultivo e aumenta a cada ano a sua quota na produção nacional.
A província está a garantir ao país a exportação de banana para a República Democrática do Congo e Namíbia. Até ao momento, 120 toneladas já foram exportadas para RDC através da empresa Agrolider.
A província de Benguela também deu o seu contributo significativo com uma produção aproximada de 812 mil toneladas em 2015. Este volume de produção foi possível com a forte aposta do Estado na instalação do  perímetro da Catumbela, província de Benguela, que proporciona colheitas superiores a milhares de toneladas por ano, com primazia para banana, maracujá e alguns hortícolas.
O perímetro da Catumbela que beneficiou de um investimento de nove milhões de dólares já garantiu mais de 120 postos de trabalho. O projecto hortofrutícola conta com grande produção do grupo DTagro, detentor de 80 hectares nesse perímetro, que está localizado defronte ao Aeroporto Internacional.
A província conta com grandes produtores, como a fazenda agro-industrial Bacilin, que realizou a exportação de 17 toneladas de banana, a partir do porto do Lobito, para Portugal. Em Benguela, a cultura da banana é comum no vale do Cavaco, Catumbela, onde é explorada uma área de 1.717 hectares. Nesta região o sector empresarial detém 538 explorações agrícolas industriais e 112 familiares.
Na sua maioria, as plantações agro-industriais na província de Benguela ficam nas localidades Hana do Norte, Dombe Grande, Vale da Catumbela e Culango Canjala. Esses empreendimentos garantem emprego para muitos jovens e geram renda para as famílias.

Aposta estratégica

A vontade das empresas agrícolas e famílias de camponeses em avançar para exportação dos seus produtos só foi possível com a estratégia traçada em 2005 pelo Executivo.
Na altura, o mercado interno apresentava um défice de produção nacional, mas com fortes indicadores de potencialidades a nível da região devido ao facto do clima ser favorável para a produção da fruta tropical.
A província do Bengo foi uma das primeiras a beneficiar do investimento do Estado, o que permitiu ampliar e modernizar o perímetro irrigado de Caxito com grandes revestimentos em betão no canal principal do condutor da água numa extensão de 23 quilómetros quadrados.
Mais de 50 milhões de dólares foram disponibilizados pelo Estado para instalar 20 tomadas hidráulicas, da rede de abastecimento de energia eléctrica que comporta 111 postos de transformação e mais de 54 quilómetros de cabos eléctricos, captada directamente da subestação da barragem das Mabubas.
Com o financiamento do Estado de 35 milhões de dólares as grandes empresas produtoras de banana conseguiram produzir mais de 100 toneladas por cada hectare plantado.

Apoio às famílias

Em 2014, a construção de uma unidade de transformação da banana na província do Bengo ajudou a diversificar a produção agrícola. Uma fábrica está instalada para transformar 800 quilos de banana por hora.
Com um financiamento da China, a fruta de mesa vai transformar-se em banana desidratada para ser consumida pelas crianças através da  inserção na merenda escolar. A banana processada vai ainda servir de alimento para os centros de acolhimento e vendida nas superfícies comerciais existentes no país.
O cultivo da banana está a apoiar várias famílias nas comunidades existentes ao longo do Perímetro Irrigado de Caxito. Hoje, mais de 50 mil habitantes beneficiam de apoio das grandes empresas produtoras de banana. As comunidades dos Paranhos, Sassa Povoação, do Cabungo e Cirilo são as mais beneficiadas no perímetro de Caxito.
Ao longo do perímetro de Caxito, foram construídos centros de formação profissional destinados aos funcionários, para a actualização dos seus conhecimentos sobre o processamento da fruta.   Actualmente, os funcionários empregues pelas empresas representam 90 por cento da mão-de-obra local.

Grandes produtores

A Agrolíder e a Turiagro detêm cada uma 25 por cento da área de cultivo e garantem 90 por cento da produção da banana no Perímetro Irrigado de Caxito. A Turiagro, uma das grandes produtoras de banana em Caxito, contribui com uma produção de 30 mil toneladas anuais, numa extensão de 350 hectares.
O grupo começou numa área de 50 hectares, que garantia apenas 12 toneladas por dia. Hoje, a produção chega a 50 toneladas diárias que são comercializadas em Luanda e Benguela através de 30 estabelecimentos comerciais.
O grupo empresarial vende o quilo de banana a 150 kwanzas. O produto acaba por chegar aos quatro cantos do país através da rede de lojas Max, Nosso Super, Shoprite e Kero, principais clientes.
Uma das grandes apostas da Turiagro, que conta hoje com 400 trabalhadores, é expandir os canais de distribuição. Por isso começa já a preparar-se para aumentar a força de trabalho. Os actuais 400 trabalhadores recebem formação contínua e com isso melhoram as técnicas de processamento da banana.
Com fazendas em Caxito e Vale do Bom Jesus, a Agrolider lidera a produção de banana na província do Bengo com uma plantação de 400 hectares, onde são colhidos em média 45 a 50 mil toneladas por ano. A empresa tem 700 trabalhadores que ajudam a acelerar o cultivo da fruta de mesa e outras hortícolas comercializadas nas províncias de Malanje, Huambo e Huíla.
Considerada como o maior produtor de banana na província, a Agrolider expande a sua actividade para a área dos lacticínios, carne bovina e hortícolas como a batata-rena, cebola, tomate, repolho, pimento, couve, cenoura, brócolos, feijão – verde e alface.
A Sagribengo também se destaca na província. Com uma extensão de 150 hectares de banana, produz em media 20 a 25 toneladas por ano.

Volumes de produção

As 18 províncias do país têm potencialidades de crescimento a nível da produção da banana. Segundo estatísticas do Ministério da Agricultura, na região do norte onde estão localizadas as províncias de Luanda, Cabinda, Zaire, Uíge, Malanje, Cuanza Norte, Bengo, Luanda Norte e Lunda Sul, a produção atingiu 1.7 milhões de toneladas de banana em 2015.
As províncias do centro (Cuanza Sul, Benguela, Huambo, Bié e Moxico) produziram 1.6 milhões de toneladas de banana, no mesmo ano.  As províncias da Huila, Namibe, Cunene e Cuando Cubango  apresentaram uma produção de 249 mil toneladas em 2015.

Exportação da fruta

Este ano, a produtora agrícola Agrolider pretende exportar 1.200 toneladas da fruta nacional para o mercado congolês. As grandes produtoras Agrolider e Turiagro estão em negociações com a   Namíbia para exportar 30 toneladas de banana por mês.
No mercado da região, a banana nacional proveniente de Caxito é comercializada a 1,2 dólares o quilo, o que garante um volume de vendas acima dos 28 milhões de dólares por ano. João Mpilamosi adiantou que o resultado da exportação da banana este ano pode gerar aos cofres do Estado cerca de dois milhões de dólares.

O aumento expressivo do produto nacional no mercado interno garantiu à província do Bengo uma contribuição significativa de oito por cento de toda a produção nacional. Actualmente, mais de 16 mil empregos directos e 48 mil indirectos foram criados através da área de produção de 1.600 hectares destinada ao cultivo da banana.
O perímetro de Caxito conseguiu atingir uma produção anual de 257 mil toneladas em 2013, embora tenha desacelerado nos últimos dois anos, com o surgimento da praga “topo em leque”, que obrigou à desactivação de cerca de 200 hectares de banana. Em 2015, a produção atingiu apenas 187 mil toneladas mas este ano o perímetro prevê ultrapassar as 257 mil toneladas com a nova colheita.
A Caxito Rega apoia o perímetro na regulação da produção interna e impulsiona a exportação da banana do Bengo no mercado africano. João Mpilamosi vê o excedente na produção da banana em todo o país como indicador satisfatório para as empresas agrícolas e famílias de camponeses apostarem fortemente na exportação em países vizinhos.

Feira da Banana

É na feira onde comerciantes nacionais dão mostras dos seus produtos e serviços prestados. A feira do Bengo é a grande impulsionadora da capacidade de produção existente no país.
Os produtores agrícolas das 18 províncias do país participam todos os anos na Feira da Banana que decorre no mercado do Panguila.
Este ano, o certame, que decorreu de 26 a 29 de Maio, sob a égide da Caxito Rega, sociedade gestora do Perímetro Irrigado de Caxito e do Governo da Província do Bengo, teve como foco promover a produção nacional no mercado internacional. (jornaldeangola)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA