Opções para o Reino Unido fora da União

(Reuters)

São quatro as opções para o Reino Unido fora da União Europeia. A London School of Economics estudou-as.

1. O modelo norueguês

Prós
Pertence ao mercado único e pode negociar acordos independentes da UE.

Contras
Requer seguir as políticas do mercado único, mas sem qualquer representação e posição sobre as regras emanadas. Tem de cumprir as regras para os países de origem das exportações para dentro do espaço europeu e está sujeita aos mecanismos anti-dumping. Além disso tem de contribuir para o orçamento europeu.

2. Acordos bilaterais. o modelo suíço

Prós
Livre comércio de bens e livre circulação de pessoas dentro da UE, podendo negociar acordos independentes da União. Pode negociar não transpor determinados programas europeus, mas numa abordagem caso-a-caso.

Contras
Os acordos bilaterais obrigam a Suíça a adoptar regras europeias, mas a Suíça não tem representação nos orgãos de decisão da UE. Além disso, o país helvético não tem acordo para o comércio de serviços. E paga uma comissão para poder participar nos programas europeus, ainda que seja mais baixa do que se pertencesse ao espaço único.

Conclusão da LSE
Também significa regulação, sem ter qualquer palavra a dizer e a Suíça paga mais 40% do que o RU para fazer parte do mercado económico europeu. A Suíça não tem acordo para os serviços financeiros, onde o RU é actualmente um dos maiores exportadores.

3. EFTA

Prós
Livre comércio em bens na UE e com a possibilidade de negociar livremente acordos. Não tem de adoptar políticas e regulações europeias, não contribuindo também para o orçamento comunitário.

Contras
Não há livre circulação de pessoas com a UE, nem tem direito de acesso aos mercados europeus para os fornecedores de serviços. Ainda assim, os produtos exportados para a UE têm de cumprir os standards europeus.

Conclusão da LSE
Garantia para os produtos europeus (excepto agrícolas) o acesso ao mercado europeu sem tarifas aduaneiras e o RU também não imporia tarifas nas entradas de produtos europeus. Mas não teria livre circulação de pessoas ou livre comércio de serviços. Reentrar na EFTA iria, também, provavelmente implicar uma divergência de regulação da UE e do RU, o que aumentaria os custos comerciais nas trocas entre os dois blocos…

4. Organização Mundial do Comércio

Prós
Pode negociar acordos independentemente da UE e não tem de adoptar quaisquer políticas ou regulações comunitárias. Também não participa no orçamento europeu.

Contras
O comércio com a UE está sujeito a taxas não discriminatórias, através do tratamento da Nação Mais favorecida. Não tem livre circulação de pessoas com a UE e não tem o direito de acesso no mercado de serviços. Os produtos exportados para a União têm de respeitar os standards comunitários.

Conclusão da LSE
Dará ao RU mais soberania à custa de menos comércio e de uma maior queda do produto, mesmo que o RU optasse por abolir totalmente as tarifas para as importações. (Jornal de Negocios)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA