Mokoko acusado de atentado contra a segurança do Estado

Jean-Marie Michel Mokoko numa entrevista em Brazzaville (EDUARDO SOTERAS / AFP)

No Congo-Brazzville, Jean-Marie Michel Mokoko foi acusado de atentado contra a segurança interna do Estado e de posse ilegal de armas de guerra. O opositor congolês e ex-candidato à presidência do país fica agora em prisão preventiva.

Jean-Marie Michel Mokoko foi presente a tribunal algemado, algemas que apenas lhe foram retiradas durante um breve instante frente ao juiz de instrução.

O juiz explicou ao general que em causa estavam factos cometidos entre 2007 e 2016. O opositor congolês foi formalmente acusado de atentado contra a segurança interna do Estado e de posse ilegal de armas de guerra.

Mokoko fica agora em prisão preventiva, algo que seria de esperar uma vez que já se encontrava detido para interrogatório desde terça-feira.

Na base da acusação está um vídeo, no qual o ex-candidato presidencial aparece prepara um golpe de estado contra o presidente Denis Sassou Nguesso.

Este registo do antigo chefe de estado-maior de exercito congolês entre 1987 e 1993 e candidato vencido nas ultimas presidenciais é um dos pontos essenciais da acusação, mas provavelmente não será o único, uma vez que em causa estariam factos cometidos entre 2007 e 2016.

Logo também é provável que lhe sejam imputadas outras acusações.

Desde as presidenciais de 20 de Março que o general vivia em residência vigiada no centro de Brazzaville.

E desde terça encontrava-se nas instalações da Direcção Geral de Vigilância do Território para interrogatório. (RFI)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA