Moçambique celebra 41º aniversário da sua independência

(DR)

A República de Moçambique celebrou neste sábado o seu 41º aniversário da sua independência proclamada pelo Presidente Samora Moisés Machel no dia 25 de Junho de 1975.

Segundo uma nota de imprensa, a que a Angop teve acesso este domingo, as celebrações desta data consagram o exemplo do primeiro presidente de Moçambique, Samora Moisés Machel, como nacionalista convicto, patriota de elevada craveira, líder visionário e estadista por excelência, o homem que proclamou a Independência Nacional e projectou Moçambique no tempo e no espaço.

“Não encontramos melhor homenagem que não seja dedicar este dia e este ano àquele que foi o pai da nação moçambicana”, refere a mensagem do actual presidente de Moçambique, Filipe Nyusi.

De acordo com a mensagem de Filipe Nyusi, nenhum nome se confundiu tanto com o nome de Moçambique, nenhuma vida se confundiu tanto com os nossos próprios sonhos de liberdade.

“Trinta anos depois, a sua iluminada palavra continua a ser escutada em todos os recantos da nossa nação, as ideias e as profecias de Machel continuam a trazer esperança para todos os patriotas”, avança o documento.

A vida e obra de Samora Machel não são apenas objecto de celebração do passado. Samora permanece uma referência viva para as gerações que lhe seguiram. E continua sendo uma figura respeitada no mundo inteiro.

Diz-se que a dimensão de um político se mede não apenas pelo modo como é aclamado pelos seus seguidores mas pela forma como é respeitado pelos seus opositores. Samora Machel alcançou admiração e respeito por causa da sua estatura moral, da sua integridade moral e do seu humanismo que superava fronteiras de raça, tribo, género ou religião.

Volvidos trinta anos após o seu desaparecimento físico, as suas lições perduram. O Presidente Machel permanece vivo e inspira-nos a todos nós perante os desafios que a Nação e o Mundo enfrentam, como se de profecias se tratasse.

Samora Machel foi bem mais que o fundador de uma nação livre e independente. Ele continua a ser um alicerce do orgulho de sermos quem somos: solidários com os mais carentes, disponíveis para lutar pelos que sofrem, pelos que são excluídos. Samora somos todos nós, moçambicanos de Norte a Sul.

Ao recordar a vida e obra de Samora Machel pretendemos renovar o nosso compromisso de preservar a verdade e a liberdade, nobres conquistas da luta do povo moçambicano.

Pretendemos, enfim, exaltar o seu papel no estabelecimento de relações de amizade, solidariedade e cooperação com todos os povos do Mundo.

Neste momento que exaltamos a obra e os feitos de Samora Machel, estamos conscientes que as palavras não serão suficientes para exaltar a grandeza da sua herança.

Em nome do Governo da República de Moçambique, exortamos a todos os moçambicanos em todo o território nacional e na diáspora a se envolver intensamente no movimento de celebração da vida de Samora Machel, enaltecendo e aprofundando a unidade e coesão entre nós, consolidando a paz e promovendo o progresso social e económico do nosso belo país.

Em nome do Governo da República de Moçambique e em meu nome pessoal, quero endereçar palavras de solidariedade à família Machel e às famílias de todos os que com Presidente Samora Moisés Machel pereceram em Mbuzini em missão da Pátria.

Sob o Lema: “ 30 Anos de Mbuzini, Celebrando a Vida e Obra de Samora Machel”. Vamos todos participar nesta grande festa do Rovuma a Maputo e do Zumbo ao Índico.

No dia 19 de Outubro de 2016 completam-se 30 anos do trágico acidente de aviação que tirou a vida ao Primeiro Presidente da República de Moçambique, Samora Moisés Machel, e 33 membros da sua comitiva. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA