Innrobo: “Cobots” dominam feira de Paris

(EURONEWS)

Os robots são cada vez mais rápidos, cada vez mais inteligentes, cada vez mais tagarelas. Mas será que são verdadeiramente úteis?
O tema foi alvo de discussão na Innrobo, o grande salão de robótica que decorreu em Paris. Os “Cobots”, os robots colaboradores, podem dar a resposta a esta questão.

O Sawyer é uma dessas máquinas. De forma autónoma escolhe estes discos vermelhos e o futuro deve ser capaz de testar circuitos e uma série de outras tarefas que até há bem pouco tempo eram inimagináveis para um robot.

O centro de controlo de movimentos permite-lhe evoluir em ambientes que lhe são desconhecidos. As camaras que possui dão-lhe capacidade de orientação. Jérôme Laplace, responsável da Humarobotics, explica que “no futuro os cobots vão ser cada vez mais eficazes, cada vez mais fáceis de programar. A ideia não é ter um único robot no mesmo local durante meses, mas vários que realizam várias tarefas por dia”.

Os robots podem também ajudar os seres humanos a realizar alguns trabalhos difíceis e exigentes. A RB3D é uma empresa de Paris que desenvolveu um exoesqueleto, o Exo Push . O homem está equipado com um arnês e um sensor na mão: está preparado para amplificar a força de quem o utiliza.

Olivier Baudet, da RB 3D, explica que “um operário pode ter de mexer com 35 toneladas por dia. O que é bastante…Por isso, com esta máquina que multiplica a sua força por 10, o trabalhador apenas tem de mexer com 3,5 toneladas, uma grande diferença. No final do dia estará menos cansado e capaz de trabalhar mais durante o dia”.

Este outro protótipo foi concebido para ajudar as pessoas com deficiências. O braço robótico chama-se Jaco 3 Fingers . Foi criado por uma empresa canadiana, a Kinova Robotics, para realizar tarefas simples, como ajudar mover a cadeira de rodas, mas evoluiu. O raio de ação é de 70 centímetros e agora pode fazer 16 movimentos diferentes de forma delicada. “Imagine que anda de cadeira de rodas eléctrica e que apenas pode mexer uma mão. Com este braço vai poder comer sem ajuda, beber sem ter de recorrer obrigatoriamente a uma terceira pessoa”, explica representante da Kinova , François Boucher

Este é o Grillbot , que é considerado o primeiro robot de limpeza de grelhadores do mundo.
Equipado com escovas de nylon, o Grillbot é um equipamento controlado por um processador centra que determina os movimentos, velocidade e direção das escovas. Apenas é necessário premir um botão e o robot trata de toda a limpeza da grelha.

O criador desta máquina, Ethan Woods, garante que já vendeu 80 mil unidades em todo o mundo…nada mau para uma ideia que surgiu antes de um jantar. “Ia ter companhia para jantar, estrava para preparar o grelhador…e quando o abri percebi que estava muito sujo e a escova estava partida. Então, em vez de ir à cidade comprar uma nova, fui à garagem, peguei no berbequim e juntei-lhe a escova e limpei o grelhador”. Nessa altura Ethan questionou-se:“porque é que não fazemos isto com o apertar de um botão?”

Flexíveis, úteis, com bons resultados, os cobots e robots nos locais de trabalho alimentam os sonhos dos criadores ao mesmo tempo que aumentam os receios de que possam aumentar o desemprego e os desequilíbrios socais.

Especialistas do Forum Económico Mundial já deixaram o alerta de que o crescimento dos robots pode provocar o desaparecimento de cerca de 5 milhões de postos de trabalho nas 15 maiores e emergentes economias até 2020. (EURONEWS)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA