Huíla: CFM transporta mais de 15 mil toneladas/mês de mercadorias diversas

Huila: Daniel Quipaxe - Presidendete do Conselho da Administração dos Caminhos de Ferro de Moçamedes (Foto: José Krithinas)

Mais de 15 mil toneladas de mercadorias diversas são transportadas mensalmente, entre as províncias do Namibe, Huíla e Cuando Cubango, pelo Caminho-de-ferro de Moçâmedes (CFM), sendo que a previsão de transportação está estimada em três milhões de toneladas/ano.

A informação foi avançada na sexta-feira, à Angop, no Lubango, pelo presidente do Conselho da Administração do Caminho-de-ferro de Moçâmedes, Daniel Quipaxi, sem revelar o montante arrecadado na transportação das mercadorias, disse que o processo foi feito por 32 composições.

Disse que o comboio de Caminho-de-Ferro de Moçâmedes apenas tem transportado mercadorias ligeiras, factor que faz que a cifra seja baixa, mas com início, para breve, da transportação de produtos em grande escala, como o granito negro, ferro e combustíveis e madeira, a cifra vai aumentar.

O Presidente do Conselho da Administração do CFM fez saber que a circulação ferroviária entre Namibe/Lubango e Menongue tem sido feita com regularidade, pois diariamente são transportados mais de mil passageiros.

Daniel Quipaxe referiu que a direcção do CFM está a trabalhar no sentido de conseguir-se aumentar a transportação de passageiros, passando pela colocação de um sistema de venda de bilhete informatizado ou seja o bilhetes electrónicos em vez de papel.

A fonte explicou que a intenção é de facilitar não só o controlo por parte das bilheteiras, mas também a rápida aquisição dos utentes da passagem, uma vez que o mesmo esta tudo informatizados, sistema esse que deverá funcionar em todas as estações do CFM.

O Caminho-de-ferro de Moçâmedes (CFM) possui seis locomotivas das quais nove operacionais e sete inoperantes, 166 vagões, 54 carruagens e quatro furgões. A reabilitação total da linha ferroviária de Moçâmedes é um investimento público avaliado em cerca de 90 milhões de dólares e a sua execução está a cargo de uma empresa chinesa. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA