Huíla: Actividade agro-pecuária regista evolução na região sul

Huila: Álvaro Fernandes - Director-geral de Cooperativas de Criadores de Gado do Sul de Angola (Foto: Morais Silva)

O director-geral da Cooperativa dos Criadores de Gado do Sul de Angola (CCGSA), Álvaro Fernandes, afirmou sábado, no Lubango, que há uma evolução satisfatória do sector agro-pecuário, nos últimos anos, tanto empresarial como familiar, apesar da crise financeira no panorama nacional e internacional.

Em declarações à Angop, no quadro do dia do criador do gado assinalado a quatro de Junho, Álvaro Fernandes disse que a evolução do sector é fruto de trabalho árduo e o intercâmbio que os fazendeiros na região têm tido para melhorar a qualidade dos animais e a própria actividade, embora haja dificuldades na aquisição de meios e divisas.

O fazendeiro indicou o aumento de animais, empresas, criadores e os níveis de venda dos bovinos durante os eventos, cuja participação tem sido positiva, uma vez que os associados a cooperativa têm noção da crise e querem apoiar o governo no processo de diversificação da economia nacional.

“O problema apenas reside na aquisição de animais e de divisas, uma vez que o governo proibiu a entrada de bovinos no país devido a febre aftosa e a compra de divisas, e tão longo que estes, handicap sejam ultrapassados os criadores poderão aumentar os seus níveis de produção”, realçou.

A fonte afirmou que a cooperativa conta neste momento com 74 filiados das províncias da Huíla, Cunene, Namibe, Benguela, Cuando Cubango e Cuanza Sul, e isto é sinal que os criadores querem diversificar o sector, para que ajude o governo a reduzir a importação de carne no país.

Disse que a Cooperativa reformulou as suas acções, em função da crise que o país vive, por isso no âmbito do programa de construção de um matadouro industrial a nível da região são necessários 15 milhões de dólares americanos.

Disse que a cooperativa controla pelo menos 25 mil cabeças de gado de raça melhorada, contra os cinco mil desde a sua criação, graças ao trabalho de inseminação artificial que se tem feito nas fazendas.

A par disto, o director geral da CCGSA admitiu estar em curso também um projecto de assistência técnica e zoo-sanitária às 74 fazendas filiadas à organização, que visa essencialmente adquirir artefactos móveis devidamente equipados com tecnologia veterinária, medicamentos, entre outros.

Álvaro Fernandes realçou que o objectivo do projecto é tratar os animais com meios locais e evitar que se gastem somas avultadas para compras de medicamentos e outros meios fora do país. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA