Huambo: FAS financia 18 projectos de impacto económico

HUAMBO: CAMPANHA DE PLANTAÇÃO DE ARROZ (Foto: JÚLIO VILINGA)

Dezoito projectos de impacto económico foram financiados este ano na província do Huambo, pelo Fundo de Apoio Social (FAS), inseridos no programa de desenvolvimento local, que está a ser implementado desde 2011 nesta região.

Em declarações nesta terça-feira à Angop, o director local do FAS, Silva Siquilile, disse terem sido disponibilizados aos empreendedores que aderiram ao programa 18 milhões, 823 mil e 575 kwanzas.

Explicou que aos empreendedores individuais o FAS concede um milhão e 500 mil kwanzas, dois milhões para as associações enquanto os micro-empresários têm acesso a um financiamento de cinco milhões de kwanzas.

Silva Siquilile informou que cada um dos beneficiários (individual, associações ou micro-empresários) para ter acesso ao financiamento deve possuir, antes, 20 porcento do valor pretendido.

O Fundo de Apoio Social assegura, também, a assistência técnica e capacita os empreendedores, que não devolvem o valor recebido.

“A única exigência é que eles abram uma conta bancária onde todos meses, até ao final do ano, depositam um valor. Esta mesma conta fica cativa ao longo do ano, para permitir que o valor depositado sirva de reinvestimento produtivo no ano seguinte. É, essencialmente, uma forma de estimular e promover o hábito de poupança”, esclareceu.

Silva Siquilile confirmou que os beneficiários deste programa de desenvolvimento local são acompanhados por técnicos do FAS e seus auditores, no país ou no estrangeiro, por estarem geo-referenciados.

Informou que o Banco Mundial considera este programa um sucesso, por estar a permitir aumentar, com poucos recursos financeiros, a renda das famílias e gerar emprego, lembrando que desde 2011 até este ano o FAS já financiou, na província do Huambo, 45 projectos do género, muitos dos quais agrícolas, serralharias e moageiras.

Dos 11 municípios da província do Huambo apenas dois (Huambo e Caála) estão a beneficiar-se de financiamentos, estando a decorrer estudos de linhas de base do sector económico e produtivo no município do Bailundo, para posterior implementação do programa de desenvolvimento local.

Silva Siquilile referiu que o programa está ainda a melhorar a capacidade empreendedora dos pequenos produtores, artesãos e prestadores de serviço, incentivar e apoiar a criação de pequenas indústrias de transformação, revitalizar o mercado local, estimular a produção local e vocações.

O Fundo de Apoio Social desenvolve suas acções na província do Huambo desde 1998, tendo registado uma interrupção em 2009 e 2010, período em que estavam a decorrer negociações com os financiadores externos. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA