Dificuldades no mundo tem influência na situação dos Estados africanos – PR

Presidente da República, José Eduardo dos Santos (Foto: F. Miudo)

O Chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, afirmou hoje, terça-feira, em Luanda, que as grandes dificuldades que afectam o mundo actual têm uma enorme influência na situação de todos os Estados da África Central e é do continente no geral e tornam ainda mais complexa a abordagem e tratamento dos problemas regionais e sub-regionais.

O estadista angolano que discursava na sessão de abertura da 6ª Cimeira Ordinária da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos (CIRGL), na qualidade de Presidente em exercício desse órgão regional iniciada hoje nesta capital referiu que apesar disso, “a CIRGL apresenta um balanço positivo na gestão dos conflitos e diferendos na sua área de actuação”.

“Foi assim possível conter o agravamento que se verificava antes, levar a cabo iniciativas e mobilizar sinergias em torno da necessidade da reconquista e da preservação da paz e da estabilidade, como condição indispensável para o progresso, quer da Região no seu todo, quer de cada um dos países que a integram”, referiu.

José Eduardo dos Santos sublinhou que durante o mandato que termina agora, “foi possível, com a colaboração de todos os Estados membros, neutralizar alguns focos de instabilidade que duravam desde 1994, por ocasião da criação desta organização regional”.

“A República de Angola agradece, em nome da nossa Organização, à Comunidade Internacional, em particular à França, cuja acção permitiu ajudar a estabilizar a República Centro Africana”, destacou o estadista angolano.

Em nome da República de Angola o Chefe de Estado angolano agradeceu também aos países africanos que, em nome da União Africana enviaram Forças de Paz à República Centro Africana, e à União Europeia, que enviou uma força de paz para o mesmo efeito.

“Neste mandato que terminou foi importante a proposta de Angola, que serviu para organizar um debate sobre as crises nos Grandes Lagos na Cimeira União Europeia/África, realizada em Abril de 2014”, destacou.

José Eduardo dos Santos agradeceu igualmente os Estados Unidos da América, por todo o apoio diplomático prestado, e às Nações Unidas por disponibilizar os meios para o funcionamento de todas as suas missões de paz na Região dos Grandes Lagos.

“Destacamos, em particular, o apoio e a solidariedade dispensados pela República da África do Sul, na pessoa de Sua Excelência o Presidente Jacob Zuma”, acrescentou.

O encontro que neste momento decorre a porta fechada está a analisar informações actualizadas sobre a situação de segurança nos países membros da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lago, e vai aprovar ainda o orçamento do órgão para o período 2016/2017. Vai também proceder a eleição do novo secretário executivo da CIRGL, em substituição do actual, o congolês Ntumba Luaba.

Para além de deliberar a situação na Região dos Grandes Lagos o encontro de cúpula de líderes da zona vai ainda perspectivar os caminhos com vista a consolidação da paz, segurança e estabilidade e reforçar a cooperação e integração regional .

São membros da CIRGL, Angola, Burundi, RCA, Congo, RDC, Quénia, Uganda, Rwanda, Sudão, Sudão do Sul, Tanzânia e Zâmbia.

O Presidente da África do Sul, Jacob Zuma participa do evento na qualidade de observador. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA