Ler Agora:
Cristas acusa Costa de ser “muito ligeiro” nas questões da banca
Artigo completo 2 minutos de leitura

Cristas acusa Costa de ser “muito ligeiro” nas questões da banca

A líder do CDS atira ao Governo, pedindo clareza sobre o que vai acontecer na Caixa Geral de Depósitos. Também fala do novo emprego de Portas, para diferenciá-lo do de Maria Luís Albuquerque.

Assunção Cristas pressiona o primeiro-ministro a dizer “exatamente o que está em causa na Caixa Geral de Depósitos”, quando se fala em necessidade de recapitalização do banco num valor que pode chegar aos 4 mil milhões de euros. A líder do CDS não descarta mesmo a hipótese de uma Comissão Parlamentar de Inquérito, ainda que considere “prioritário é que o primeiro-ministro diga alguma coisa sobre a Caixa”.

Num entrevista publicada na edição desta terça-feira do Jornal de Negócios, Assunção Cristas acusa mesmo António Costa de ser “muito ligeiro na forma como trata as questões. Uma vez acordou e resolveu dizer que precisamos de um banco mau, de um veículo, falou em 20 mil milhões de euros e não esclareceu nada. Nada. Como se de repente todo o sistema bancário estivesse numa situação difícil”. Por isso, a líder democrata-cristã exorta o chefe do Executivo a esclarecer agora “de uma vez por todas a questão da Caixa”.

Queremos perceber o que se está a passar: se vai à dívida, se vai ao défice, como é que vai ser capitalizado, qual vai ser o montante, porque é que é necessário este montante, o que está em causa, são as imparidades de que momento?”

A pressão que coloca sobre o Governo nesta questão aparece na mesma medida da demarcação que faz do anterior Governo (pelo menos como um tudo) na gestão da crise do Banif: “O que posso dizer é que nunca a questão foi discutida em Conselho de Ministros”. O assunto, garante a ex-ministra da Agricultura, “foi tratado ao nível do Ministério das Finanças”.

Na pasta estava Maria Luís Albuquerque, a quem Cristas acaba por deixar uma crítica — ainda que de forma indireta — nesta entrevista, ao diferenciar o novo cargo de Pauo Portas na Mota- Engil, daquele que a ex-ministra das Finanças aceitou na financeira Arrow Global. “Há uma diferença evidente. O Dr. Paulo Portas saiu da política e, portanto. Iniciou um período profissional completamente novo”. (OBSERVADOR)

por Rita Tavares

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »