Ataque em Orlando altera a campanha entre Hillary Clinton e Donald Trump

Donald Trump fala na segunda-feira sobre imigração e terrorismo. (KEITH SRAKOCIC (AP) / EFE)

Republicano acredita que a matança lhe dá razão sobre os muçulmanos. A democrata opta pela cautela e evita citar o rival.

Um atentado homofóbico como o de Orlando no domingo revela o carácter de um país e de seus políticos. Se ocorre durante uma campanha presidencial, ainda mais. O atentado é uma foto que expõe as virtudes e defeitos dos aspirantes a governar um país, nesse caso os Estados Unidos. Donald Trump reagiu à matança comemorando que ela lhe desse a razão em suas vociferações contra os muçulmanos e pedindo a renúncia do presidente Barack Obama e de Hillary Clinton, sua rival democrata em Novembro. Clinton suspendeu um comício que tinha previsto com Obama e evitou entrar na briga.

A campanha eleitoral entra em uma nova fase. Na semana passada, Clinton se tornou a candidata virtual do Partido Democrata, ao conquistar número suficiente de delegados para ser a indicada. Trump é o candidato do Partido Republicano há um mês. A ameaça terrorista e a regulamentação de armas de fogo passarão a ser os temas centrais nos próximos dias e meses. A posição de cada candidato sobre Orlando irá defini-lo em um momento em que os eleitores começam a formar uma ideia sobre quem preferem, ou quem acham o menos pior.

Não está claro para que lado o ataque de Orlando fará a balança inclinar e se isso irá acontecer, ataque cujo autor, em uma ligação telefónica, jurou lealdade ao Estado Islâmico. O historiador Julian Zelizer, da Universidade de Princeton, acredita que Clinton irá usá-lo para questionar se Trump é a pessoa com o temperamento adequado para comandar na Casa Branca uma crise como a actual. Trump irá usá-lo para dizer que ele tinha razão quando alertava o país sobre o perigo do terrorismo jihadista. “[Orlando] se tornará parte do debate, mas não determinará o resultado”, disse Zelizer por telefone.

Trump, um magnata do ramo imobiliário e estrela da televisão sem experiência política, chegou à liderança do Partido Republicano quebrando todas as normas. Após a matança de Orlando, quebrou outra ao começar a politizar a desgraça.

Primeiro, cumprimentou a si próprio por ter avisado com antecedência de que um ataque como esse ocorreria cedo ou tarde. Acusou Clinton de querer deixar entrar imigrantes do Oriente Médio. Pediu a renúncia de Obama e a saída de Clinton da campanha por não utilizar as palavras “islamismo radical” para se referir à matança. E reprogramou um discurso em New Hampshire inicialmente planeado para relembrar os escândalos passados dos Clinton. Agora irá dedica-lo à imigração e ao terrorismo. Também cancelou um comício previsto para depois no mesmo estado.

Zelizer explica que não é incomum a politização de questões como o terrorismo, mas o normal é que se passem alguns dias ou semanas após o atentado. “Como é habitual, Trump acelera tudo”, disse o historiador. Trump se mostrou no domingo como um político exultante porque, em sua opinião, os fatos lhe deram a razão, feliz por esfregar nos narizes de seus rivais e críticos que o responsável pelo atentado, Omar Saddiqui Mateen, declarou sua ligação com o jihadismo antes de assassinar 50 pessoas.

Trump vê o ataque como um argumento que confirma a necessidade de uma de suas medidas mais discutidas: fechar as fronteiras dos Estados Unidos aos muçulmanos. A realidade é que Mateen nasceu nos Estados Unidos e é norte-americano, de modo que o veto pretendido por Trump seria inútil para impedir sua presença no país. As vítimas de Mateen na discoteca Pulse de Orlando são em grande parte latinos, outro sector da população norte-americana hostilizado por Trump.

Clinton adoptou uma posição oposta à de Trump. Não existe risco de confusão entre os dois. Enviou uma mensagem de solidariedade à comunidade homossexual, pediu a restrição do acesso às armas mais perigosas a terroristas e criminosos, e pediu unidade nacional. Usou a mesma frase de Obama: “É um ato de terror e é um ato de ódio”. Não mencionou Trump. Delegou aos seus colaboradores as críticas ao rival.

Por ser o massacre com armas mais mortífero da história, o de Orlando é excepcional. As reacções não o são. Os progressistas pedem uma regulamentação maior das armas de fogo. Uma primeira medida pode ser a restauração da proibição dos fuziles de assalto, armas de guerra como o AR-15 que Mateen adquiriu legalmente, fabricadas para matar muitas pessoas em pouco tempo. Qualquer tentativa de regulamentar as armas nos últimos anos foi bloqueada no Congresso.

A reacção dos conservadores se dá em outras áreas. Em alguns casos pode ser a saúde mental do atirador. No ataque de San Bernardino (Califórnia) e no de Orlando, é sua suposta religião e a origem afegã de sua família.

Depois do maior atentado pós 11 de Setembro, em quem os norte-americanos confiam mais? Em Trump e sua promessa dos Estados Unidos vencedores e seu punho de ferro contra muçulmanos e imigrantes? Ou em Clinton, experimentada na política exterior, mas, segundo Trump, fraca diante das ameaças à pátria e cega pelo politicamente correto, que aparentemente a impede de chamar as coisas por seu nome? O triunfalismo de Trump e seus alardes reforçam a confiança diante de novos ataques ou são motivo de intranquilidade?

Hoje começa uma nova campanha com o factor terrorismo no centro. E Trump, novamente, domina o cenário. (EL PAIS)

por Marc Bassets

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA