Albinos do Malauí sofrem onda de assassinatos, denuncia Amnistia

Jovens participam de um evento no Malauí contra a violência sofrida pelos albinos (afp_tickers)

Os albinos do Malauí estão sofrendo “uma onda sem precedentes de ataques brutais”, indicou nesta terça-feira a Amnistia Internacional, que acusa a polícia de ser incapaz de acabar com este flagelo, estimulado por rituais.

Ao menos 18 pessoas com albinismo – ausência congénita de pigmentação – foram assassinadas no Malauí desde Novembro de 2014.

Outras cinco estão desaparecidas, indica a organização baseada em Londres.

“A onda sem precedentes de ataques brutais contra pessoas com albinismo criou um clima de terror”, afirma Deprose Muchena, director da Amnistia Internacional para o sul da África.

O relatório da Amnistia, que critica a incapacidade das autoridades do país em defender os albinos, indica que seus ossos são utilizados como “amuletos e poções mágicas na crença de que trazem boa sorte ou riqueza”.

“O macabro comércio está estimulado pela crença de que os ossos dos albinos contêm ouro”, denuncia o relatório.

A população albina do Malauí, avaliada entre 7.000 e 10.000 pessoas, vive “em um clima de medo constante”.

“Não deixam nem mesmo os mortos em paz. A polícia do Malauí contabiliza ao menos 39 casos de exumação ilegal de cadáveres de albinos ou de pessoas em posse de ossos ou de membros de albinos”, acrescenta o documento. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA