Abertura dos mercados: Petróleo abaixo dos 52 dólares. Bolsas em queda

(Bloomberg)

O preço do petróleo segue em queda nos mercados internacionais mas, ainda assim, a matéria-prima deverá registar mais uma semana de ganhos. As bolsas negoceiam em queda na Europa e na Ásia.

Os mercados em números

PSI-20 perde 0,70% para 4.772,97 pontos

Stoxx 600 recua 0,47% para 339,64 pontos

Nikkei desvalorizou 0,4% para 16.601,36 pontos
Juros da dívida portuguesa a 10 anos recuam 0,1 pontos base para 3,069%

Euro recua 0,03% para 1,1313 dólares

Petróleo perde 0,56% para 51,66 dólares por barril

Bolsas em queda

Os mercados accionistas do Velho Continente negoceiam esta sexta-feira em terreno negativo. As maiores quedas registam-se em Amesterdão, Frankfurt e Lisboa, onde o PSI-20 cai 0,7% penalizado pelos títulos do sector energético e pelo BCP.

A Europa prolonga assim as quedas já registadas nos mercado asiáticos e em Wall Street esta quinta-feira. O índice que reúne as principais praças asiáticas registou hoje a maior queda das últimas três semanas

Petróleo perto da quinta semana consecutiva de ganhos

A matéria-prima negoceia esta sexta-feira em terreno negativo. Em Londres, mercado que serve de referência às importações europeias, o barril de Brent cai 0,56% para 51,66 dólares.

Ainda assim, o preço do petróleo deverá registar um ganho semanal superior a 4%. Esta é assim a quarta semana consecutiva de subidas do preço da matéria-prima.

Desde os mínimos de 12 anos atingidos em Fevereiro, o preço do petróleo já escalou 94%, sustentado por perturbações inesperadas no fornecimento e por uma queda da produção nos Estados Unidos – país onde a prospecção tem estado a ser pressionada pelo facto de a Organização dos Países Exportadores de Petróleo não estar a impor limites à produção dos seus membros (se bem que na Nigéria esteja a “bombear” menos devido aos ataques de rebeldes a instalações petrolíferas em Maio – segundo a Agência Internacional da Energia, o país terá produziu menos 160.000 barris por dia no mês passado).

Referendo continua a penalizar a libra

A possibilidade de os britânico votarem a favor da saída do Reino Unido da União Europeia no referendo de 23 de Junho tem penalizado a divisa britânica. A libra está perto de registar a segunda semana consecutiva de quedas face à moeda norte-americana.

Ouro em máximos

O preço do ouro aproxima-se do valor mais elevado das últimas três semanas a beneficiar da procura por activos de refúgio. O metal precioso deverá registar a segunda semana consecutiva de ganhos.

Destaques do dia

FMI: Reversões no sector público passam factura de 1.400 milhões de euros. As reversões e congelamento de medidas adoptadas durante o programa da troika para conter a factura salarial poderão custar 1400 milhões de euros estima o FMI.

Tarifa social na electricidade chega silenciosamente a mais casas portuguesas a 1 de Julho. O Governo tem estado a trabalhar para nos últimos meses para que a tarifa social na electricidade e no gás natural chegue a mais famílias a partir de 1 de Julho. Os novos beneficiários só vão saber que foram abrangidos quando a factura de Julho chegar.

O que vai acontecer hoje

França: Data agendada para a possível revisão do “rating” pela Fitch

Grécia: Data agendada para a possível revisão do “rating” pela DBRS

Itália: Data agendada para a possível revisão do “rating” pela Moody’s

Reino Unido: Data agendada para a possível revisão do “rating” pela Fitch

Estados Unidos: Indicador de sentimento económico da Universidade do Michigan, relativo a Junho. (Jornal de Negocios)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA