A Globo está derrubando Temer

ALEX SOLNIK (Jornalista) (Foto: D.R.)

A Globo – ou, mais especificamente seu principal produto jornalístico, o Jornal Nacional – derrubou Dilma. Veiculou entrevistas em que especialistas escolhidos a dedo testemunharam que as pedaladas eram crime de responsabilidade. Convocou o povo a ocupar as ruas pedindo impeachment, o que serviu de forte pretexto para os deputados votarem contra a presidente, para atenderem ao que as ruas pediam. Deu certo.

A Globo – ou, mais especificamente o Jornal Nacional, estrategicamente encaixado entre as duas novelas de maior ibope – derrubou Eduardo Cunha. A pá de cal foi a matéria que denunciou a manobra envolvendo o governo Temer, o presidente do PRB, ministro Marcos Pereira e a desconhecida deputada Tia Eron (que nome!) unidos na tentativa de salvar Cunha na comissão de ética. Flagrados no conluio, o Planalto tirou seu cavalinho da chuva e Tia Eron votou contra Cunha. Mais uma vez deu certo.

Agora a Globo – ou, mais especificamente, o Jornal Nacional, em cujo noticiário, a exemplo do que ocorre nas novelas o bem tem que prevalecer sobre o mal – está derrubando Temer. E tem tudo para dar certo.

A longa matéria veiculada ontem que detalha a sua interferência na distribuição de 40 milhões de reais arrecadados ilicitamente pelo presidente da Transpetro, Sérgio Machado, para irrigar as hostes do PMDB, reassumindo, em 2014, a presidência do partido então ocupada por Valdir Raupp, seu vice, a pedido dos deputados que se queixavam de serem preteridos na distribuição e o áudio em que o mesmo Machado conta a Sarney que Temer solicitou 1,5 milhões para a campanha de seu pupilo Gabriel Chalita a prefeito de São Paulo, em 2012, informação que também detalhou por escrito aos procuradores da Lava Jato, foi devastadora.

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

O impacto foi imediato, pois a narrativa do delator premiado faz muito sentido: ele estava na presidência da estatal por indicação de um dos caciques do PMDB, o presidente do Senado e do Congresso Nacional, Renan Calheiros e sua tarefa consistia em, além de cuidar da empresa em si, atender aos pedidos dos peemedebistas de verba para campanhas, oriunda de repasses das empresas privadas que mantinham negócios com a Transpetro. Nada mais justo do que fornecê-la, também, ao principal cacique do partido. Não há desmentido do Palácio do Planalto que convença os 30 milhões de brasileiros que assistem ao Jornal Nacional de que Temer não participava desse rachuncho.

Sabedores da força da Globo e da importância cada vez maior da opinião pública, cada vez menos tolerante com malfeitos, venham de onde vierem, e da qual dependem para se reelegerem, os senadores que participam da comissão do impeachment terão muito menos disposição para defender o presidente em exercício. Levando-se em conta, que, do ponto de vista formal ele ainda é o vice-presidente da República e os fatos narrados por Machado ocorreram durante seu mandato, não se afasta a possibilidade de que eles deem sustentação a um pedido de impeachment de Temer.

Pelas mesmas razões, as denúncias, que podem transformá-lo em réu, tal como aconteceu com Eduardo Cunha, terão impacto sobre o conjunto dos senadores que vão votar, provavelmente em agosto, pela deposição definitiva ou pela volta da presidente Dilma ao poder. Mais uma vez pressionados pela opinião pública, que certamente não será estimulada pela Globo a sair às ruas em defesa de Temer eles não terão respaldo para trocar uma presidente acusada somente de irregularidades administrativas, mas que jamais foi denunciada por algum dos muitos delatores, por um sério candidato a julgamento na Lava Jato.

Temer deveria ter pensado dez vezes antes de transformar em ministro um empregado de Edyr Macedo e representante da TV Record.

Mas agora Inês é morta.

Sobre o autor:

Alex Solnik é jornalista. Já atuou em publicações como Jornal da Tarde, Istoé, Senhor, Careta, Interview e Manchete. É autor de treze livros, dentre os quais “Porque não deu certo”, “O Cofre do Adhemar”, “A guerra do apagão”, “O domador de sonhos” e “Dragonfly” (lançamento setembro 2016). (brasil247)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA