Russos tentaram infiltrar-se no Instituto dos Registos e do Notariado

(Foto: D.R.)

Os russos têm estado ativos nos países aliados da Nato. No início do mês foi apanhado e expulso um da Lituânia.

Portugal tem estado na mira da estratégia de espionagem russa, tal como outros países que fazem parte da Aliança Atlântica.

No ano passado, a revista Sábado deu conta de uma operação de contraespionagem do SIS, levada a cabo em 2013, que detetou uma tentativa de intrusão das secretas russas no Instituto dos Registo e do Notariado (IRN).

Os agentes queriam aceder à informação civil e empresarial guardada no IRN através de um funcionário da instituição. ASábado contou que foram expulsos dois funcionários/espiões da Embaixada da Rússia.

Ao contrário do que aconteceu no presente caso do espião português, Júlio Pereira nada terá comunicado ao Ministério Público para que as suspeitas fossem investigadas. Esta notícia, contudo, serviu de álibi às secretas para justificar um varrimento eletrónico (para detetar escutas) no gabinete do presidente do IRN, António Figueiredo, quando este estava a ser investigado pela PJ no âmbito do inquérito dos vistos gold.

Um dos elementos do SIS que estava na equipa de varrimento era o próprio diretor do SIS, Horácio Pinto, amigo de António Figueiredo.

Foi tudo observado e filmado pelos inspetores da PJ que estavam a vigiar Figueiredo. A Sábado contou que as duas operações, a de contraespionagem e a dos vistos gold, acabaram por se cruzar. Nos interrogatórios, António Figueiredo referiu ao juiz Carlos Alexandre essa situação, quando questionado sobre o varrimento.

O juiz tinha dúvidas sobre se aquela medida de despistagem de escutas teria sido para detetar os russos ou uma tentativa de António Figueiredo saber se estava a ser controlado pela PJ.

No início do mês, a Lituânia anunciou a detenção de um russo acusando-o de espionagem a favor de Moscovo. Segundo a Procuradoria-Geral de Vilnius, tratava-se de um agente das secretas russas que “tentou infiltrar-se nas instituições governamentais, forças da ordem e serviços de informações lituanos”, para influenciar a tomada de decisões.

Em 2008, houve outro caso, desta vez na Estónia, a envolver a detenção de outro espião russo. Este com uma particularidade que o liga a Portugal: era portador de um passaporte português. Na altura, o Expresso revelou que “Jesus”, como era conhecido nos meios diplomáticos de Tallinn, foi o protagonista de “um dos maiores escândalos de espionagem do pós-Guerra Fria”. Era o agente de ligação entre o chefe do departamento de segurança do Ministério da Defesa da Estónia e a secreta russa.

Durante cerca de uma década o russo com nacionalidade portuguesa passou informações a Moscovo, entre as quais matérias classificadas da Nato e da União Europeia. Herman Simm, 61 anos, atuava em equipa com a sua mulher, Heete, advogada na sede nacional da polícia estónia. O Times sugeria que o espião tenha passado durante duas décadas detalhes sobre mísseis de defesa e armas estratégicas de nova geração. (dn)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA