Retomada busca por caixas-pretas de avião da EgyptAir

Orações na cerimônia em homenagem aos mortos na tragédia do avião da EgyptAir, na Igreja Ortodoxa Copta de São Pedro e de São Paulo, no Cairo, em 22 de maio de 2016 (afp_tickers)

A busca pelas caixas-pretas do avião da EgyptAir desaparecido no Mediterrâneo foi retomada neste domingo, três dias após o drama, com a esperança de solucionar se o que ocorreu foi um acidente, ou um atentado.

O presidente egípcio, Abdel Fatah al-Sissi, reafirmou que “todas as hipóteses são possíveis” e que nenhuma delas é privilegiada.

O voo MS804 caiu no Mediterrâneo na madrugada da última quinta-feira, com 66 pessoas a bordo, entre elas 30 egípcios e 15 franceses, após desaparecer repentinamente dos radares.

Embarcações e aviões das Forças Armadas egípcias e francesas rastreavam pelo terceiro dia consecutivo o mar entre a ilha de Creta e a costa norte do Egipto, tentando localizar a cabine do Airbus A320 e suas duas caixas-pretas.

Um avião de vigilância marítima francês “detectou, no domingo, muitos objectos flutuantes, provavelmente relacionados com o avião”, declarou um porta-voz da Marinha francesa.

Na sexta-feira, as Forças Armadas egípcias retiraram da água os primeiros fragmentos do aparelho, um membro humano e objectos dos passageiros, e divulgaram, ontem, fotografias em que se viam uma mochila infantil, um pedaço destruído da cabine, revestimentos de assentos rasgados e um colete salva-vidas inflado. Uma criança e dois bebés estão entre as vítimas.

“Desde então, foram retirados da água alguns restos, mas nenhum corpo”, disse à AFP neste domingo uma autoridade da Aviação Civil, que não quis ser identificada.

Ainda não foram encontradas as caixas-pretas, que emitem sinais debaixo d’água apenas entre quatro e cinco semanas antes que suas baterias fiquem descarregadas.

Até sexta-feira, o governo egípcio e a maioria dos especialistas ouvidos pela imprensa privilegiavam a tese de atentado, seis meses após a explosão de uma bomba a bordo de um avião de turistas russos que havia descolado do Egipto. Esse atentado foi reivindicado por um braço local do Estado Islâmico (EI).

– Sem reivindicação –

Mais de três dias depois do drama do voo entre Paris e o Cairo, ninguém assumiu a autoria do suposto atentado.

Uma mensagem de áudio do porta-voz do EI divulgada ontem não mencionava a tragédia.

O Al-Furqan, veículo do grupo que divulgou a gravação, não publica reivindicações de atentados, o que costuma acontecer nas contas do Twitter, ou do Telegram dos principais propagandistas do EI.

O que reacendeu a tese de falha técnica foi a revelação, ontem, de que o sistema automatizado do avião emitiu, por três minutos, alertas indicando a presença de fumaça, principalmente na parte dianteira do aparelho, e falhas nos sistemas electrónicos dos comandos de voo. Segundo especialistas, nada exclui que a fumaça possa ter sido consequência de um incêndio criminoso.

O Ministério egípcio da Aviação Civil confirmou hoje à noite que os controladores gregos foram os últimos a falar com o piloto, garantindo que não houve “qualquer contacto” entre este último e entre os controladores egípcios. O avião desapareceu dos radares “menos de um minuto depois de sua entrada no espaço aéreo egípcio”.

A hipótese de explosão de uma bomba, embora válida, perdeu espaço.

“Ainda é cedo para interpretar e compreender as causas do acidente, enquanto não tivermos encontrado destroços, ou caixas-pretas”, disse ontem em Paris o porta-voz do Departamento de Investigação e Análise (BEA), que enviou ao Egipto três investigadores e um especialista da Airbus. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA