Raduan Nassar, é Prémio Camões 2016

Raduan Nassar, escritor brasileiro, Prémio Camões 2016 (VOA)

Escritor brasileiro filho de libaneses tem três obras publicadas.

O Prémio Camões 2016 foi esta segunda-feira, 30, atribuído por unanimidade ao escritor brasileiro Raduan Nassa.,

Aos 80 anos, Nassar é o 12.º brasileiro a receber aquele que é considerado por muitoso mais importante prémio literário destinado a autores de língua portuguesa.

A “extraordinária qualidade da sua linguagem” e a “força poética da sua prosa” foram os motivos apresentados pelo júri para atribuir o prémio ao autor de Lavoura Arcaica (1975), Um Copo de Cólera (1978) e Menina a Caminho (1994).

Instituído em 1988 pelos governos de Portugal e do Brasil, o prémio Camões é atribuído a “um autor de língua portuguesa que tenha contribuído para o enriquecimento do património literário e cultural da língua comum”, diz o respectivo protocolo, na sua versão revista de 1999.

O prémio foi atribuído pela primeira vez em 1989, ao escritor Miguel Torga e entre os 27 distinguidos há 11 portugueses e 11 brasileiros.

Foram também premiados, um autor cabo-verdiano, Arménio Vieira (2009), dois angolanos – Luandino (2006), e Pepetela (2006) -, e dois moçambicanos, José Craveirinha (1991), e Mia Couto (2013.

Biografia

Raduan Nassar nasceu em Pindorama, Estado de São Paulo. Brasil,em 1935.

Romancista e contista, Raduan é o sétimo filho do casal de libaneses, João Nassar e Chafika Cassis.

Iniciou os estudos na cidade natal, em 1943, e no ano seguinte, passou a frequentar, assiduamente, a Igreja, tornando-se coroinha, em 1946.

Em 1955, entrou na Faculdade de Direito, do Largo São Francisco, e no Curso de Letras, ambos na Universidade de São Paulo (USP).

Em 1961, viajou para o Canadá e Estados Unidos, afastando-se temporariamente dos estudos e dos negócios da família e foi nessa época que escreveu o conto “Menina a Caminho”.

De volta ao Brasil, retomou o curso de Filosofia e o concluiu em 1963, mais tarde viajou para a Alemanha, com o objectivo de aprender o idioma local, mas retornou ao Brasil, após tomar conhecimento do golpe militar.

Antes, porém, visitou no Líbano, a aldeia onde viveram seus pais.

Criador de um universo literário que retrata o peso da tradição cristã, do patriarcado, do trabalho e das interdições sobre o indivíduo, Raduan Nassar é autor de uma obra engajada, em sentido amplo.

Interessa a essa produção, não apenas retratar as circunstâncias imediatas do contexto histórico – desejo recorrente na literatura do período, com o objectivo de promover a consciência política contra o autoritarismo -, mas investigar como aspectos sociais determinam a constituição das relações afectivas.

As estruturas circulares são frequentes na obra de Raduan Nassar, estando presentes também nos seus contos.

Em todos os casos, as relações pessoais reproduzem as imposições inexoráveis da sociedade. (VOA)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA