Portugal já importa mais de Angola do que aquilo que exporta

Navio de transporte de contentores Terminal XXI, Porto de Sines. (Foto: D.R.)

Défice da balança comercial aumentou em 133 milhões de euros em Março, em grande parte devido à queda das exportações para Angola, que diminuíram 46,4% no espaço de um ano, devido à crise económica no país. Redução dos preços dos combustíveis também pressiona valor das exportações.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou ontem as Estatísticas do Comércio Internacional, relativas a Março. Excluindo os combustíveis, as exportações tiveram uma queda de 1,3%, penalizadas sobretudo pelo arrefecimento da economia angolana. As exportações para este país lusófono, que enfrenta uma dura crise económica, caíram para metade. Portugal já importa mais de Angola do que aquilo que exporta.

Segundo o INE, em Março Portugal exportou bens e serviços para Angola no valor de 114 milhões de euros. Este valor compara com 212 milhões de euros em Março de 2015, o que representa uma queda de 46,4% no espaço de um ano. E compara com importações de Angola no valor de 128 milhões de euros, durante o mês de Março. Ou seja, Portugal passou a comprar mais a Angola do que aquilo que lhe vende.

Esta conjuntura explica-se pela situação difícil em que Angola se encontra: penalizado pela queda dos preços do petróleo, o país atravessa uma dura crise económica, com o Governo a ser obrigado a pedir ajuda ao Fundo Monetário Internacional (FMI). No entanto, no conjunto do primeiro trimestre, a vantagem está ainda do lado português, com exportações para Angola no valor de 487 milhões de euros e importações de 217 milhões.

Em sentido contrário, no que toca às exportações, destacou-se o mercado espanhol, com uma subida de 2,7% face ao período homólogo, para 1,1 mil milhões de euros. Ainda assim, Portugal importa muito mais do que exporta para Espanha: em Março, as importações do país vizinho ascenderam a 1,6 mil milhões de euros, o que implica um défice de 500 milhões de euros nas relações comerciais com Espanha.

Défice da balança comercial aumenta em 133 milhões

Em Março de 2016, o défice da balança comercial de bens registou um acréscimo homólogo de 133 milhões de euros, enquanto o défice excluindo os combustíveis aumentou 185 milhões de euros. “Em Março, as exportações diminuíram 3,9% (+0,9% em Fevereiro), devido ao comportamento do Comércio Extra UE (-14,9%, -17,6% em Fevereiro), dado que as exportações Intra-UE aumentaram (+0,3%, +7,4% em Fevereiro)”, revelou o INE.

As importações caíram 0,8%, devido à evolução registada nas importações Intra-UE (-1,3%, +5,4% em Fevereiro), já que no Comércio Extra-UE se verificou um aumento (+1,1%, +2,3% em Fevereiro).

“Excluindo os Combustíveis e lubrificantes, em Março de 2016 as exportações decresceram 1,3% e as importações aumentaram 2,8% face a Março de 2015 (respectivamente +3,1% e +7,3% em Fevereiro de 2016). De salientar que desde Junho de 2015 as exportações e importações sem Combustíveis e lubrificantes registaram crescimentos superiores ao da totalidade das exportações e importações. Este diferencial de evolução retrata em grande medida o impacto da redução dos preços relativos dos Combustíveis e lubrificantes”, acrescentou.

Em comparação com Fevereiro de 2016, as exportações aumentaram 5,7% no mês de Março, devido à evolução positiva nas exportações para mercados fora da União Europeia. Por sua vez, as importações cresceram 12,4%, principalmente devido ao desempenho do comércio com países da União Europeia. (diarioeconomico)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA