Os velhos tempos estão de volta no Brasil, diz jornalista alemão

Eliseu Padilha (esq.), Michel Temer (centro) e Henrique Meirelles (Agência Brasil)

Correspondente do jornal “Die Zeit” critica composição do ministério nomeado pelo presidente interino Michel Temer, sem mulheres e negros, se perguntando se a escolha foi motivada por estupidez ou desespero.

Em artigo publicado na emissora pública alemã Deutschlandfunk neste sábado (14/05), o correspondente do jornal Die Zeit no Brasil, Thomas Fischermann, comenta a composição do ministério recém-nomeado pelo presidente interino Michel Temer.

“Nenhum negro faz parte dele [do ministério] – e isso neste colorido país de tantas culturas. E também nenhuma mulher. O Ministério das Mulheres [e da Igualdade Racial, da Juventude e dos Direitos Humanos] foi até extinto”, escreve. Fischermann questiona se a escolha da nova equipe do governo é um reflexo da “estupidez ou do desespero”.

Para o jornalista, Temer acaba de enviar um sinal claro de que os velhos tempos estão voltando ao Brasil. “As elites tradicionais voltaram ao poder. E elas fazem o que querem”, comenta.

Em meio a um país polarizado, em que muitos classificam o processo de impeachment contra Dilma Rousseff como um golpe de estado, Fischermann reconhece que o afastamento da presidente não teria sido alcançado se ela tivesse feito uma política bem-sucedida. Mas ela falhou em meio à crise econômica, diz.

O jornalista afirma que os planos para a economia da “equipe de limpeza à La Temer” até parecem bons. “São prescrições econômico-ortodoxas para conseguir mais segurança e estabilidade para empresários, para mais investimentos no país e uma redução do aparato do Estado.”

No entanto, a pergunta é por quanto tempo a política à la Temer irá bem, escreve Fischermann. “Muitos temem que sua falta de jeito ao compor seu gabinete seja um indicativo para o futuro”, diz.

À base de poder do presidente interino pertencem barões de regiões de minas e agrícolas, reis da motosserra do Amazonas e capitães da indústria de ramos da economia dependentes de subvenções, comenta o jornalista. “E não são poucos deles que são alvo de acusações de corrupção, e alguns devidamente condenados”, conclui. (DW)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA