Organizador de marcha é espancado em Moçambique

João Massango, do partido Ecologista em Moçambique (RFI/Orfeu Lisboa)

João Massango, o porta-voz da marcha de protesto convocada para este fim de semana, foi agredido esta sexta-feira por desconhecidos nos arredores da capital moçambicana . O presidente do Partido Ecologista Movimento da Terra disse hoje que cabe agora ao povo decidir se a marcha sai ou não à rua.

O presidente do Partido Ecologista Movimento da Terra e porta-voz da marcha preparava-se para dar uma conferência de imprensa, com os pormenores da marcha para fim de semana, quando quando três indivíduos fortemente armados o atacaram.

Os três homens tentaram forçar a entrada de Massango numa das duas viaturas em que se faziam transportar, mas o líder partidário conseguiu escapar dos agressores e dirigir-se à polícia para pedir proteção.

Entretanto,alguns partidos políticos, sem assento no parlamento, distanciam-se da marcha por duvidarem das pessoas que estão na organização. Miguel Mabote do Partido Trabalhista, disse que “não podemos aderir a uma manifestação cuja logística é financiada por instituições externas e suspeitas”.

Questionado pelos jornalistas sobre se a realização sairia ou não à rua, João Massango, afirmou que “cabe ao povo decidir”. De referir que 40 partidos sem assento parlamentar, em coordenação com organizações da sociedade civil,encabeçam a manifestação contra a recente descoberta de avultadas dívidas públicas ocultas e a crise política e militar em Moçambique.

Esta semana município de Maputo já tinha rejeitado o pedido de manifestação, alegando que o documento submetido pelos organizadores apresentava erros. Também o ministro do Interior, Basílio Monteiro, tinha desaconselhado, esta semana, a realização desta marcha alegando que a ordem pública pode ser perturbada.

De recordar que recentemente a polícia fortemente armada impediu a realização de manifestações populares contra a política do governo na cidade de Maputo por ter sido convocada de forma anónima e através das redes sociais. (RFI)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA