Recordações: morreu há 2 anos, aos 99 anos, Ernesto Paulelli, o Arnesto do samba de Adoniran Barbosa

Ernesto Paulelli, o Arnesto do samba de Adoniran Barbosa, falecido aos 99 anos, em S. Paulo, Brasil.

Ernesto Paulelli, morreu aos 99 anos, em São Paulo, no ano de 2014. Era a personagem que ilustrou a canção “Samba do Arnesto”,  composta por Adoniran Barbosa e lançada em 1953. A informação foi confirmada pela sobrinha-neta dele, Regina, ao UOL.

A música dos “Demónios da Garoa” marcou uma época em quase todo o  mundo. Em Angola, era comum termos na nossa discografia, o admirável reportório deste conjunto que conquistou o mundo.

“Ele era um homem maravilhoso, amoroso e adorava a música que Adoniran compôs em homenagem a ele”, disse Regina, por telefone. “Os dois continuaram grandes amigos até a morte de Adoniran, em 1982, e ele continuou em contato com os integrantes do Demônios da Garoa.”

“SAMBA DO ARNESTO”

Folhapress
O Arnesto nus convidô,
pru samba, ele mora no Bráz
nóiz fumo e num incontremos ninguém
nóiz vortemos cuma baita de uma réiva,
da outra vez nóiz num vai mais
nóiz num semos tatu…

Veja a letra completa do samba de Adoniran Barbosa na Rádio UOL 

Morador da Mooca, Ernesto tinha 99 anos e morreu após sofrer uma parada cardíaca, segundo informou sua filha Valéria Paulelli. O velório será realizado no Cemitério do Araçá a partir das 23h desta quarta (26) e o enterro foi marcado para as 12h de quinta.

(VIDEO)
Ernesto era violonista e, no final da década de 30, chegou a tocar na rádio Bandeirantes durante um ano. Foi a convite da cantora e amiga Nhá Zefa que ele se apresentou junto a ela na Record – período em que conheceu Adoniran.

Tendo corrigido o sambista dizendo que seu nome correto era Ernesto e não Arnesto, como Barbosa o havia chamado, plantou sem querer a ideia de uma canção na cabeça de Adoniran, que no momento brincou que comporia uma música com base naquela conversa.

Antes do encontro, Adoniran Barbosa havia apenas lançado seu primeiro disco de 78 rotações, “Agora Podes Chorar” (1936), e fazia pouco sucesso. A canção “Samba do Arnesto” veio a ser lançada quase duas décadas mais tarde.

Segundo contou em entrevista à revista “Brasileiros” em 2008, Ernesto se emocionou e chorou abraçado à mulher, Alice, ao ouvir pela primeira vez a música feita em sua homenagem , em 1955, transmitida pela Rádio Bandeirantes.

O reencontro com Adoniran só viria dois anos mais tarde, em uma gravação na TV Record, em que o compositor pediu a opinião de seu “muso” e disse que eles seriam compadres a partir daquele momento.

Antes de se dedicar à música, Ernesto chegou a trabalhar como engraxate, auxiliando seu pai que era sapateiro. Até 1922, morou no bairro do Brás, tendo se mudado posteriormente para a Mooca. Virou vendedor de chuchu e trabalhou no jogo do bicho. Tocou violão em diversas cantinas de São Paulo.

Aos 60 anos se formou em Direito e trabalhou na área Civil durante três décadas. Era pai de cinco filhos,  Vanda, José Carlos, Vicente, Valéria e José (deles, apenas Vicente e Valéria estão vivos).

Um de seus netos, Paulo Paulelli, filho de Vicente Paulleli, seguiu carreira na música e é contrabaixista do grupo paulista de samba e jazz Trio Corrente, que recebeu o Grammy 2014 de melhor álbum de jazz latino por “Song for Maura”.  Gravado em parceria com o saxofonista cubano Paquito D’Rivera, deixando para trás os álbuns “La Noche Más Larga” de Buika, “Yo” de Roberto Fonseca, “Eggün” de Omar Sosa e “Latin Jazz-Jazz Latin” de Wayne Wallace Latin Jazz Quintet. (MUSICA.UOL)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA