Ministros africanos recomendam habitação condigna para a população

Branca do Espírito Santos - Ministra do Urbanismo e Habitação - chefiou a delegação angolana ao Fórum Ministerial Africano sobre Habitação e Desenvolvimento Urbano (Foto: Francisco Miudo)

Os governos africanos serão exigidos a adoptar políticas públicas que concorram para proporcionar à população do continente uma habitação condigna.

A informação foi prestada sexta-feira pela directora para o Intercâmbio do Ministério do Urbanismo e Habitação que integrou a delegação angolana, chefiada pela titular do pelouro, Branca do Espírito Santos, ao Fórum Ministerial Africano sobre Habitação e Desenvolvimento Urbano, realizado em Rabat, Reino do Marrocos, de 11 a 12 do corrente mês.

Apresentando as conclusões do evento, que decorreu sob o lema “políticas das cidades e desenvolvimento”, a responsável informou que os governos africanos precisam tornar as suas cidades mais seguras, fortes e sustentáveis.

“Angola não fica a margem deste desafio e, por isso, aproveitou o Fórum Ministerial Africano sobre Habitação e Desenvolvimento Urbano para apresentar as projecções e implementações das políticas públicas para o desenvolvimento urbano sustentável”, explicou.

Referiu que em dois dias, foram feitas reflexões em torno da constatação das Nações Unidas que em África reside a maior taxa de crescimento urbano mundial, implicando que o futuro económico e social seja reflectido nas cidades africanas.

“Existem pensamentos e fortes indicadores de que o desenvolvimento urbano do continente cresça nos próximos anos e isto vai exigir, dos governos africanos, a adopção de políticas públicas que possam concorrer para proporcionar habitação adequada”, informou.

Eunice Inglês corrobora da necessidade de se tornar as cidades africanas mais seguras, fortes e sustentáveis.

Relativamente ao fórum do Marrocos, a directora aventou que serviu para concertar sinergias para uma participação activa de África, tendo em conta a realização em Outubro próximo, na cidade de Quito (Equador), da III Conferência sobre o Habitat.

“Neste fórum foram abordadas questões em que Angola se enquadrou, ligadas ao desenvolvimento do continente, a necessidade da prática de uma governação inclusiva, a necessidade de que as questões e problemas das populações sejam partilhadas e solucionadas em conjunto com a sociedade civil, entre outros autores”, acrescentou.

Em Julho próximo, realiza-se na Indonésia a III sessão do comité preparatório para o Habitat III.

O evento contou com a participação dos ministros africanos encarregados do sector da habitação e das cidades e forneceu uma plataforma de intercâmbio e consultas sobre as questões chaves das cidades do século XXI, incluindo o desenvolvimento, as políticas de governação e estratégias, e o reforço da cooperação sul-sul.

O encontro abordou temáticas relacionadas às políticas nacionais urbanas, no caso concreto o Programa Nacional do Urbanismo e Habitação. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA