Mauricio Macri declara seu dinheiro nas Bahamas e prepara uma amnistia fiscal

Macri e sua esposa, Juliana Awada, em 25 de maio em Buenos Aires. (Foto: Presidência Argentina)

Presidente da Argentina dobra o valor da fortuna que declara oficialmente, 1,192 biliões de kwanzas.

Mauricio Macri, presidente da Argentina e filho de um dos empresários mais ricos do país, tornou público seu património pela primeira vez desde que chegou à presidência. O dado que mais chama a atenção é que, medido em pesos argentinos, Macri duplicou o valor de seus bens desde a última vez em que fez essa declaração, há um ano, quando era o prefeito de Buenos Aires. Sua fortuna passou de 52 milhões de pesos a 110 (619 mil a 1.310 biliões de kwanzas). O principal motivo é que em sua declaração anterior Macri deu um valor simbólico às suas acções em diversas empresas e agora declarou o valor real. Macri, além disso, declara oficialmente que tem dinheiro no estrangeiro, no paraíso fiscal das Bahamas. Nessa declaração, publicada pelo El Cronista, não existem detalhes, mas o Governo já disse várias vezes, quando Macri apareceu nos Panama Papers, que todo o dinheiro do presidente no estrangeiro foi declarado às autoridades argentinas.

Macri divulgou a existência do dinheiro nas Bahamas, onde tem 18 milhões de pesos (215 milhões de kwanzas) em um momento de muita controvérsia na Argentina porque o Governo prepara uma grande amnistia fiscal com a qual pretende legalizar o dinheiro oculto dentro e fora da Argentina. O dinheiro “dentro dos colchões” e no exterior é uma antiga tradição dos argentinos, não só dos mais ricos. Alguns cálculos falam em 200 biliões de dólares (33.146 biliões de kwanzas) ocultos. O kirchnerismo já tentou uma amnistia sem sucesso, mas o valor retornado foi irrisório. O dinheiro do presidente não está nessa categoria porque ele já o tornou público em declarações de imposto anteriores e, além disso, o Governo afirma que está tudo declarado.

Macri confirmou a amnistia e a vinculou à necessidade de se ter dinheiro para pagar os aposentados que pedem suas pensões atrasadas e entraram com milhares de acções por todo o país. “Queremos pagar todas as acções pendentes e pediremos uma ajuda a todos aqueles que têm. Chegou a hora de legalizar o dinheiro e pagar o custo de não o ter declarado antes”, afirmou Macri na quarta-feira.

Macri e seu ministro da Economia, Alfonso Prat Gay, um homem que se viu envolvido em polémica em 2015 por uma conta do HSBC na Suíça da milionária Amalia Lacroze de Fortabat, a qual assessorava – ele sempre negou possuir qualquer conta na Suíça – promovem uma amnistia que será apresentada no sábado e tentará atrair milhões de dólares de volta com um imposto na casa dos 10%, a mesma taxa imposta por Mariano Rajoy na Espanha logo depois de chegar ao Governo e promover sua própria amnistia fiscal.

O dinheiro de Macri nas Bahamas não entraria nessa categoria de amnistia porque, de acordo com o Executivo, já está declarado oficialmente, apesar de estar no estrangeiro. Ou seja, não é dinheiro oculto como o que o Governo quer que os argentinos legalizem. Mas não deixa de ser simbólico que um presidente que inicia um processo de amnistia tenha parte de sua fortuna em um paraíso fiscal.

É a mesma aparente contradição que se deu quando Macri apareceu nos Panama Papers. O Governo afirmou que se tratava de uma empresa do pai, Franco, na qual o presidente teve uma participação colateral sem receber nenhuma retribuição. Foi muito criticado à época por não a ter detalhado em suas declarações oficiais, mas ele afirmou que não tinha porque fazê-lo já que não recebeu rendimentos dessa sociedade. Macri atribui a seu pai toda a responsabilidade pela empresa que aparece nos Panama Papers e foi até mesmo à justiça para obrigar seu progenitor a tornar públicos todos os documentos relacionados a ela para acabar com as suspeitas.

Outra pessoa próxima a Macri que aparece nos Panama Papers é Néstor Grindetti, que foi seu ministro da Fazenda quando era prefeito de Buenos Aires e agora governa Lanús, nos arredores da capital. O presidente diz em sua declaração que é credor de Grindetti e de seu amigo de infância e conhecido empresário da construção, Nicolás Caputo.

Macri tornou público seu património e o registou no Escritório Anti-corrupção, dirigido por Laura Alonso, uma macrista que vem do mundo das organizações internacionais a favor da transparência. O macrismo impulsiona no Congresso uma lei de transparência justamente para acabar com a tradicional opacidade do dinheiro da política e dos políticos na Argentina, uma das promessas de campanha do presidente que está sendo cumprida nos primeiros meses. Macri também anunciou que entregará toda a sua fortuna a um “fideicomisso cego”, isto é, a um gestor que ele não controla, para evitar as suspeitas de conflito de interesses que seu poder pode gerar. O entorno de Cristina Kirchner está envolvido em diversos escândalos de corrupção e Macri quer se diferenciar com a promessa de que terá tolerância zero com quaisquer de seus subordinados sobre os quais recaiam suspeitas de corrupção. (EL PAIS)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA