Marcelo diz que acordo ortográfico é “uma não-questão”

(Foto: Bruno Simão)

As declarações do Presidente da República chegam depois de críticas de Cabo Verde, da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) e de Angola a propósito de uma eventual reavaliação do Acordo Ortográfico.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou esta terça-feira, 10 de Maio, que a questão do Acordo Ortográfico “é um não tema”, escusando-se a comentar as reservas que vieram de diferentes países lusófonos sobre uma eventual reavaliação a este documento.

Falando em Lisboa, no final da Assembleia Geral da COTEC Portugal, entidade da qual Marcelo Rebelo de Sousa é presidente honorário, o Presidente da República foi questionado pelos jornalistas sobre as críticas de Cabo Verde, da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) e de Angola a propósito de uma eventual reavaliação do Acordo Ortográfico, tema levantado pelo chefe de Estado português durante a visita da semana passada a Moçambique.

“É um não tema. É uma não questão”, respondeu apenas Marcelo Rebelo de Sousa, escusando-se a fazer qualquer outro comentário sobre o tema.

Há uma semana, a 4 de Maio, Marcelo tinha considerado que, se países como Moçambique e Angola decidirem não ratificar o Acordo Ortográfico, isso seria uma oportunidade para repensar a matéria.
Outro dos assuntos sobre o qual o Presidente da República não quis adiantar qualquer posição foi o dos contratos de associação com escolas privadas, tendo reiterado que ainda não é o tempo oportuno para se pronunciar.

Confrontado com os desenvolvimentos acerca do tema que tem extremado posições entre o Governo e a direita nos últimos dias, Marcelo Rebelo de Sousa disse: “Eu sei, eu sei. Eu vejo a televisão. Como dizia a Sophia Mello Breyner, ‘vemos, ouvimos e lemos. Não podemos ignorar’, mas outra coisa é falar”.

Sobre a promulgação da lei que “protege a casa de morada de família no âmbito de processos de execução fiscal”, que foi hoje anunciada na página da internet da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa reiterou apenas as justificações que acompanharam esta decisão.

“Expliquei aquando da promulgação, como tenho feito sempre no sítio, que além de ser uma medida social, me impressionava muito o largo consenso no parlamento. Como sabe foi votado por maioria e com abstenção do CDS. O que significa que houve largo consenso em relação à não rejeição da medida social”, insistiu.

O secretário executivo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), Murade Murargy, disse na segunda-feira que não há volta atrás na questão do Acordo Ortográfico, considerando desnecessário o debate gerado nos últimos dias em torno desta questão.

Já o ministro da Cultura e Indústrias Criativas de Cabo Verde, Abraão Vicente, defendeu também na segunda-feira, em declarações à agência Lusa, que qualquer decisão relativa ao Acordo Ortográfico deve ter base científica e não resultar de opiniões de políticos “transitoriamente nos cargos”.

Por seu turno, o ministro das Relações Exteriores angolano, Georges Chikoti, afirmou hoje que Angola e Moçambique registaram alguns progressos para a ratificação do Acordo Ortográfico, mostrando confiança em torno de um consenso. (jornaldenegocios)

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA