Israel: Netanyahu convoca ministro da Defesa

(AFP)

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, convocou nesta segunda-feira seu ministro da Defesa, o que ilustra as tensões entre os dois sobre a liberdade de expressão nas Forças Armadas e seu papel na sociedade.

Netanyahu convocou Moshe Yaalon, depois que este encorajou no domingo os oficiais a sempre dizer o que pensavam, mesmo que isso fosse contra as ideias de seus superiores ou líderes políticos.

Segundo a imprensa israelita, esse fato irritou Netanyahu, que o percebeu como um ataque directo contra ele e como um questionamento da primazia do poder político sobre os militares.

Os dois líderes emitiram uma declaração após a reunião, em que afirmavam ter “esclarecido as coisas”.

“Está fora de questão, e sempre esteve, que o exército está subordinado às autoridades políticas e que os oficiais são livres para expressar suas opiniões em fóruns pertinentes”, afirma o comunicado.

As Forças Armadas têm registado um protagonismo incomum na tentativa de definir as normas morais que devem enquadrar as respostas a uma onda de violência palestiniana.

O vice-comandante do Estado-Maior, Yair Golan, causou polémica em 4 de maio, véspera da comemoração da Shoah, ao equiparar algumas reacções observadas na sociedade israelita ao “comportamento repugnante” da sociedade alemã no nazismo.

Netanyahu criticou as declarações, mas Yaalon defendeu Golan.

O chefe de Governo declarou que a polémica havia terminado, mas Yaalon voltou a reacendê-la no domingo, ao instar em uma assembleia os oficiais a não se deixarem amedrontar pela pressão política e social: “Sigam dizendo o que pensam, mesmo que isso não coincida com a corrente maioritária ou com as ideias de seus comandantes ou da direção política”, declarou. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA