Huíla: Falta de informação na base de casos de gravidez precoce

Casos de Gravidez Precoce preocupa autoridades da saúde no lubango (Foto: Angop)

A falta de informação sobre a saúde reprodutiva tem estado na base dos elevados casos de gravidez precoce registados na maternidade “Camarada Irene”, na cidade do Lubango, província da Huíla.

Esse pronunciamento foi avançado quarta-feira, à Angop, no Lubango, pela directora clínica da maternidade, Luísa Rodrigues, que sem revelar números afirmou ser frequente aparecer adolescentes grávidas, que normalmente têm partos de risco.

Além da falta de informação, Luísa Rodrigues apontou também a ausência de diálogo, entre pais e filhos, como outras das causas que concorrem para o aumento dos casos de gravidez precoce.

Como principais consequências para as adolescentes grávidas, a médica destacou o abandono escolar, facto que pode comprometer o futuro académico e profissional da rapariga.

Disse que a gravidez precoce pode provocar ainda conflitos familiares, violência física e psicológica, bem como discriminação da rapariga grávida.

“Quando uma adolescente entende começar a sua vida sexual corre sérios riscos de contrair doenças sexuais, por ser ainda uma pessoa inexperiente”, alertou.

Como solução para esse problema, a responsável aconselhou aos adolescentes a se informarem mais sobre a saúde reprodutiva e evitarem a começar a vida sexual activa na adolescência.

Com uma capacidade de 300 camas, a maternidade do Lubango realiza, em média, 50 partos por dia. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA