Fundador da plataforma financeira Liberty Reserve condenado a 20 anos de prisão

(Negocios)

O fundador da plataforma financeira Liberty Reserve, acusada de branquear centenas de milhões de dólares para criminosos no mundo inteiro entre 2005 e 2013, foi condenado a 20 anos de prisão em Nova Iorque.

Arthur Budovsky, de 42 anos, declarou-se culpado de conspiração para branqueamento de capitais a 29 de janeiro, três dias antes do início do julgamento.

Sedeada na Costa Rica, a Liberty Reserve, criada em 2001 em Nova Iorque por Budovsky e Vladimir Kats, funcionava como uma plataforma de pagamentos electrónicos utilizando uma moeda virtual com o seu nome, Liberty Reserve, e permitia enviar e receber, pela Internet, dinheiro de qualquer pessoa, anonimamente, e de qualquer montante, sem qualquer regulamentação.

Budovsky, que supervisionava as operações e estratégia, “criou expressamente [a Liberty Reserve] para facilitar o branqueamento de capitais em grande escala aos criminosos de todo o mundo”, disse na sexta-feira à noite o procurador de Manhattan, Preet Bharara, ao anunciar a condenação, em comunicado.

No auge das suas actividades no final de 2012, o volume de transacções na Liberty Reserve, que encerrou em Maio de 2013, atingiu os 300 milhões de dólares por mês, segundo as autoridades norte-americanas.

No momento do seu encerramento, a empresa tinha mais de 5,5 milhões de contas de utilizadores em todo o mundo, incluindo 600 mil nos Estados Unidos, e tinha registado mais de 78 milhões de transacções financeiras, num valor total de mais de oito mil milhões de dólares.

Budovsky, que renunciou à sua nacionalidade norte-americana em 2011 e adoptou a da sua mulher costa-riquenha para tentar evitar ser processado nos Estados Unidos, foi detido em Espanha em Maio de 2013, tendo sido extraditado para os Estados Unidos em Outubro de 2014.

Seis outros responsáveis da empresa foram considerados culpados, no que as autoridades norte-americanas consideraram ser, em Maio de 2013, “o mais importante caso” de branqueamento de capitais processado pelos Estados Unidos, com a cooperação policial de 17 países.

Ao anunciar a pena, a juíza federal Denise Cote afirmou que Budovsky não mostrou “verdadeiro remorso” e que os seus crimes tinham causado um número “incalculável de vítimas de fraude em todo o mundo”.

A pena de Vladimir Kats deverá ser conhecida a 13 de Maio. (Jornal de Negocios)

por Lusa

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA