Escolas privadas entregam 50 mil cartas a António Costa

Debate quinzenal - 28/abril. [Lusa]

Professores, pais e encarregados de educação querem que o Governo anule o despacho que veio definir que só serão financiadas as escolas nas zonas onde não existe oferta pública ou com alunos que tenham o ciclo de ensino por terminar.

Cerca de meia centena de pais, professores e encarregados de educação de escolas particulares e cooperativas deixaram, nesta segunda-feira, mais de 50 mil cartas na residência do primeiro-ministro a pedir a manutenção do financiamento.

Em quatro carrinhos de mão, em várias caixas de papel, ou mesmo ao colo, professores, pais e funcionários entregaram hoje metade das cartas que conseguiram recolher para pedir ao Governo que anule o despacho que veio definir que só serão financiadas as escolas nas zonas onde não existe oferta pública ou, existindo esta oferta, mantém-se apenas o financiamento das turmas até que estes alunos acabem o ciclo de ensino que atualmente frequentam.

José Silva, representante da associação de pais da Escola Didaxis em São Cosme, Famalicão, é um dos manifestantes que critica a atuação do Ministério da Educação, acusando de querer “rasgar o contrato assinado no ano passado”, que estabeleceu o financiamento das escolas particulares e cooperativas por um período de três anos.

A Cooperativa Didaxis tem cerca de 3.330 alunos entre o 5.º e o 12.º anos.

Segundo José Silva, o fim do apoio estatal obrigará os alunos a mudarem-se para uma escola pública “que fica a 12 quilómetros de distância”.

Funcionários e professores lembram ainda que o corte no financiamento “irá pôr em causa muitos postos de trabalho”, contou à agência Lusa Francisco Assis, professor há 33 anos na Didaxis.

“A nossa intenção não é avançar com processos judiciais, a nossa intenção é chegar a um acordo”, sublinhou Francisco Assis.

Funcionários, professores e representantes da associação de pais dos Salesianos de Manique também estão presentes no protesto.

“A escola é só uma, mas estamos a viver um momento de professores contra professores e escolas contra escolas”, lamentou a professora dos Salesianos de Manique Ana Simões.

A docente explicou que os alunos são escolhidos para aquela escola através de “uma central de matrículas de acordo com critérios do Ministério da Educação”, garantindo que não escolhem os alunos e que existem “muitos estudantes de bairros sociais”.

A concentração começou às 11:00, em frente ao Palácio de São Bento, e a entrega das cartas demorou cerca de meia hora.

Por volta do meio-dia, uma delegação foi recebida pelo assessor para os Assuntos Económicos. (TVI24)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA