Energia e águas abre projectos à imprensa

(Foto: Alberto Julião)

Os projectos, programas e o funcionamento do sector de energia e águas no país vão merecer, nesta segunda-feira (09), uma abordagem pormenorizada do ministro de tutela, João Baptista Borges.

A abordagem vai acontecer durante uma conferência de imprensa que visa, entre outros aspectos, fazer o ponto de situação sobre a produção/captação, transporte e distribuição energia e água.

No encontro, promovido pelo Gabinete de Revitalização e Execução da Comunicação Institucional e Marketing da Administração (Grecima), se antevê que estejam em destaque o programa “Água para todos”, as restrições no fornecimento de electricidade e os pagamentos relacionados a esses serviços.

O sector eléctrico do país é constituído por sistemas independentes alicerçados em aproveitamentos hidroeléctricos.

Trata-se dos sistemas Norte, Centro , Sul e os Isolados.

O Sistema Norte integra o aproveitamento hidroeléctrico de Cambambe e Lauca no, Cuanza Norte, e Capanda em Malanje.

No Sistema Centro estão o aproveitamento hidroeléctrico de Lumaum, Gove (Huambo), as centrais térmicas da Kileva, do Cavaco e Biópio (Benguela).

Já o Sistema Sul está assente no aproveitamento hidroelétrico da Matala (Huíla) e associado à central térmica de Chitoto (Namibe).

Nos Sistemas Isolados estão Cabinda, Leste (Lundas e Moxico), bem como Cunene e Cuando Cubango.

No sector das águas, o sistema público de abastecimento a Luanda, gerido pela EPAL, E.P., é composto por três estações de captação, cinco estações de tratamento de água, 12 centros de distribuição e mais de três mil 180 quilómetros de rede de abastecimento.

Quanto às outras capitais provinciais, enquadram-se nos sistemas reabilitados e em estado operacional: Caxito, Malanje, Ndalatando, Uíge, Dundo, Saurimo, Huambo, Cuito, Menongue e Benguela (inclui Lobito, Catumbela e Baía Farta) e Cabinda.

Nos sistemas por reabilitar e com estado operacional limitado estão M’Banza Congo, Sumbe, Luena, Namibe e Lubango.

Nos sistemas por ampliar estão integrados as cidades de Ndalatando, Saurimo e Benguela, Lobito, Catumbela e Baía Farta.

Enquadrados nos sistemas a substituir por novas captações encontram-se Caxito, Malanje, Uíge, Dundo, Huambo, Cuito, Menongue, Cabinda, M’Banza Congo, Sumbe e Luena.

Angola possui 47 bacias hidrográficas principais, destacando-se as dos rios Kwanza, Cunene, Cubango, Catumbela, Bengo, Dande, Cuvelai e Zambeze. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA