Cientistas descobrem três planetas ‘potencialmente habitáveis’

Os planetas têm tamanho semelhante ao da Terra (AFP)

Uma equipe internacional de cientistas anunciou na segunda-feira que descobriram um trio de planetas parecidos com a Terra que são a melhor aposta até o momento para encontrar vida fora do sistema solar.

Os três orbitam uma estrela anã gelada que está a apenas 39 anos-luz de distância, e são provavelmente comparáveis à Terra e a Vénus em tamanho e temperatura, afirma o estudo, publicado na revista científica britânica Nature.

“Esta é a primeira oportunidade de achar rastros químicos de vida fora do sistema solar”, disse o autor principal do estudo, Michael Gillon, astrofísico da Universidade de Liège, na Bélgica.

Os três planetas apresentam uma “combinação vencedora” de factores: têm tamanho similar ao da Terra, são “potencialmente habitáveis” e estão próximos o suficiente de modo que suas atmosferas podem ser analisadas com a tecnologia existente, informou Gillon à AFP.

A descoberta abre um novo “campo de caça” a planetas habitáveis, acrescentou.

Gillon e colegas calibraram um telescópio de 60 centímetros no Chile, conhecido como TRAPPIST, para rastrear dúzias de estrelas anãs que não são grandes nem quentes o suficiente para serem vistas com telescópios ópticos.

Eles se concentraram em uma estrela particularmente promissora – agora conhecida como TRAPPIST-1 -, de cerca de um oitavo do tamanho do sol, e significantemente mais fria.

Após observá-la por meses, os astrónomos perceberam que seu sinal infravermelho desaparecia ligeiramente em intervalos regulares, o que indica que há objectos em órbita.

Análises posteriores confirmaram que se tratava de exoplanetas – planetas girando ao redor de estrelas fora do sistema solar.

Os dois mais remotos davam uma volta completa na sua estrela anã a cada 1,5 e 2,4 dias respectivamente, embora recebam apenas quatro e duas vezes a radiação de geração de calor que a Terra recebe do Sol.

A órbita mais distante do terceiro planeta demora entre quatro e 73 dias, de acordo com o estudo.

“Até agora, a existência de tais ‘mundos vermelhos’ orbitando estrelas anãs geladas era puramente teórica, mas agora nós temos não apenas um, mas três planetas solitários”, disse o co-autor do estudo Emmanuel Jehin, também da Universidade de Liège.

Ele classificou a descoberta como uma “mudança de paradigma” na busca por vida em outras partes do universo.

Dados seu tamanho e a proximidade da sua estrela de baixa intensidade, todos os três planetas podem ter regiões com temperaturas adequadas para comportar água líquida e vida, concluiu o estudo.

Tirando a sorte grande

Sua proximidade com a Terra significa que os cientistas vão poder descobrir muito mais coisas.

“Esses planetas são tão próximos, e sua estrela tão pequena, que podemos estudar sua atmosfera e composição”, disse o co-autor Julien de Wit, pós-doutor no Massachusetts Institute of Technology (MIT).

“É a sorte grande para essa área” de estudos, disse em um comunicado, acrescentando que deve ser possível descobrir se eles abrigam vida ainda “na nossa geração”.

Até o momento, a busca por esferas celestes similares à Terra na nossa galáxia e além dela se centrou em estrelas como nosso sol, mais maciça e quente que a estrela anã em volta da que os mundos recém-descobertos orbitam.

A descoberta sugere que uma fracção significativa de estrelas anãs geladas comportam planetas potencialmente habitáveis em sua oscilação gravitacional.

“Em escala da galáctica, isso implica biliões de outros lugares onde a vida pode ter se desenvolvido”.

A massa dos três planetas que circulam o TRAPPIST-1 não é inferior à 50% da massa da Terra, e provavelmente também não é maior que o dobro desta, acrescentou de Wit.

“Podem ser mais ricos ou mais pobres em água e rochas que nosso planeta, e se eles têm uma atmosfera, ela é provavelmente muito diferente da nossa”.

Para dar origem à vida como a conhecemos, os planetas têm que estar em uma “zona habitável” em relação à sua estrela, longe o suficiente para que o calor não evapore toda a sua água, mas perto o suficiente para que ela possa existir em forma líquida.

A construção e o uso do telescópio infravermelho TRAPPIST para caçar planetas era uma estratégia arriscada.

“Ele não está olhando para 100.000 estrelas ao mesmo tempo, como o telescópio espacial Kepler”, disse de Wit. “Você gasta tempo em poucas delas, uma de cada vez”.

“E uma delas fez com que valesse a pena”, acrescentou.

Um vídeo com a apresentação da descoberta pode ser visto aqui: http://www.trappist.one/

(AFP)

 por Marlowe HOOD

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA