Chefe de Estado considera Marceal Itengo como um homem sereno

Pesidente da República de Angola- José Eduardo dos Santos (Foto: Francisco Miudo)

O Presidente da República de Angola, José Eduardo dos Santos, considerou hoje, domingo, o malogrado Marceal Miji Itengo, antigo governador da Lunda Sul e seu consultor, como um homem honesto, sereno, convicto e dedicado ao desenvolvimento do seu povo e do seu país.

De acordo com a mensagem de condolência do chefe do Estado angolano, endereçada à família de Marceal Itengo, lida pelo secretário da Presidência da República para Assuntos Sociais, Flávio Fonseca, durante a cerimónia funébre, o malogrado sempre esteve pronto e disponível para os desafios do país.

“É sempre demasiado tristes tomar conhecimento do falecimento de um colaborador nosso que procurou cumprir com zelo e dedicação as obrigações sociais e políticas de que estava incumbido, fica-nos na memória a recordação de um homem sereno, determinado e dedicado ao desenvolvimento do seu povo e do seu país”, lê-se na mensagem de condolência do Presidente da República.

“Eu e a minha mulher, apresentamos à família enlutada as mais profundas condolências que são extensivas a todos os seus amigos”, endereçou.

Marceal Miji Satambi Kalumbi Itengo faleceu quarta-feira última, numa das clínicas da capital do país (Luanda), vítima de doença.

Nascido aos 22 de Setembro de 1946, em Saurimo, Marceal Miji Itengo, príncipe da realeza Mwatxissengue do povo Lunda Tshokwe, fez o seu ensino primário no período de 1953 a 1959 na escola primário da então Teixeira de Sousa (actual cidade do Luena/Moxico). De 1960 a 1963 concluiu o seu ensino médio na República Democrática do Congo.

Licenciou-se em linguística inglesa aplicada pela Universidade de Lubumbashi (RDCongo). Doutorou-se na área científica de desenvolvimento administrativo e diplomático.

De 1975 a 1979 foi professor coordenador da Universidade de Botsuana em Gaberone nos cursos de Estudo de desenvolvimento administrativo e Ciências sociais. De 1980 a 1987 trabalhou no centro de estudo de desenvolvimento social em Londres (Inglaterra) e inspetor e investigador de assuntos internacionais na Áustria, vocacionado sobre estudo de dependência económica e guerra civil em Africa.

De 1988 a 1998 foi coordenador da disciplina de língua inglesa nas universidades de Venda e da Unisa (África do Sul), onde leccionou estudos internacionais e comunicação nos cursos de pós graduação. De 1999 a 2003 foi professor de língua inglesa no Instituto Superior de Ciência de Educação afecta a Universidade Agostinho Neto.

Fez parte do governo de Unidade e Reconciliação Nacional, de 2003 a 2008, tendo sido nomeado por Despacho Presidencial ao cargo de governador da província da Lunda Sul. Até a data da sua morte era consultor do Presidente da República, José Eduardo dos Santos.

O falecido deixa nove filhos, 13 netos e três bisnetos. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA