Ler Agora:
Carlos Silva: BCE parece querer passar centro de decisão de Lisboa para Madrid – DN
Artigo completo 3 minutos de leitura

Carlos Silva: BCE parece querer passar centro de decisão de Lisboa para Madrid – DN

O presidente do Millennium Atlântico critica o regulador europeu e diz que a mudança das regras do jogo pelo Governo no caso BPI ameaça investimento em Portugal.

O presidente do novo banco angolano que resultou da fusão do Millennium Angola e do Banco Atlântico critica a actuação do Banco Central Europeu (BCE) em relação às instituições financeiras portuguesas e angolanas, acusando o regulador de fazer parecer que prefere centros de decisão em Madrid face a Lisboa.

Numa conversa com o DN em Luanda, no dia do lançamento do Millennium Atlântico, Carlos Silva – que é também vice-presidente do Millennium bcp em Lisboa – considera ainda que o Governo ameaçou a confiança dos investidores em Portugal ao mudar as regras referentes à blindagem de estatutos na banca no meio do processo negocial em torno do BPI.

“Acredito que para Frankfurt seja mais simples e dê mais segurança ver os bancos portugueses no contexto ibérico – parece haver vontade de passar o centro estratégico de decisão de Lisboa para Madrid”, afirmou, confirmando de seguida que uma fusão do BCP com o Novo Banco seria uma forma de contrariar esta ideia.
BANCA ANGOLANA PRECISA DE “MAIS ÉTICA E MORAL”

O governador do Banco Nacional de Angola diz que o sistema financeiro do país precisa de mais “ética e moral”. Valter Filipe Silva fez este diagnóstico durante a inauguração do primeiro balcão do Millennium Atlântico.

A banca angolana está a ser posta “à margem” do sistema financeiro mundial. O diagnóstico foi feito esta terça-feira, 3 de Maio, em Luanda, pelo governador do Banco Nacional de Angola (BNA), Valter Filipe Silva, durante a cerimónia de inauguração do primeiro balcão do Millennium Atlântico, instituição que resultou da fusão entre o Millennium Angola e o Banco Privado Atântico.

O governador do BNA defendeu ainda a necessidade de existir mais “ética e moral” na banca angolana, acrescentando que a mesma deve ser colocada ao “serviço do bem comum”.

GOVERNADOR DO BANCO DE ANGOLA QUER SOLUÇÃO PARA O BFA QUE DEFENDA O POVO ANGOLANO

Valter Filipe afirma que a solução para a resolução da exposição aos riscos de Angola face à presença do BPI no BFA “é dos accionistas” e que BNA, enquanto regulador, “tem que estar atento”.

O governador do Banco Nacional de Angola (BNA) afirmou esta terça-feira, 3 de Maio, à Lusa que a instituição está “atenta” ao diferendo sobre a exposição do português BPI  à banca angolana, mas reconhece que a solução está nas mãos dos accionistas.

O caso envolve o Banco de Fomento Angola (BFA), detido maioritariamente pelo BPI, instituição que por sua vez é participada pela Santoro (empresa de Isabel dos Santos e segunda maior accionista do BPI, com 18,58%), e Valter Filipe afirma que a “solução é dos accionistas”.

“O importante é que deste processo, Angola, o povo angolano, a banca angolana, saia reforçada”, disse o governador, questionado pela Lusa, em Luanda, à margem da inauguração do primeiro balcão do Millennium Atlântico, que resultou da fusão das duas instituições. (jornaldenegocios)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »