Brasil: Desenvolvimento da CPLP deve ter presente o papel da academia

Embaixador de Angola no Brasil, Nelson Cosme (Foto: Pedro Parente/Arq)

O embaixador de Angola na República Federativa do Brasil, Nelson Cosme, disse, recentemente, na cidade do Rio de Janeiro, que o desenvolvimento e o fortalecimento da Comunidade dos Países de Língua portuguesa (CPLP) não podem estar desassociados do papel da academia.

Nelson Cosme fez esse pronunciamento quando intervinha num seminário de lançamento da Cátedra de Gestão em Organizações Públicas e Privadas nos países da CPLP, tendo considerado a academia um elo de partilha de conhecimento entre os estados membros da organização.

Advogou a necessidade de se desencadear acções que possam conduzir a mobilidade de estudantes do ensino superior entre os estados membros da organização, naquilo que seria um “Erasmus” à escala da CPLP.

O embaixador de Angola foi convidado pelo contributo que vem dando na parceria da Fundação Getúlio Vargas (FGV) com instituições de ensino e pesquisa angolanas, no quadro do Plano Nacional de Formação de Quadros.

Por seu lado, o director-geral da Escola Nacional de Administração Pública, Hélder Brás, realçou o esforço da instituição que dirige na formação de quadros angolanos, cujo processo formativo conta com apoio da FGV.

Referiu que no quadro do Plano Nacional de Formação de Quadros está prevista a formação de 80 mil empreendedores, 20 mil empresários e a graduação de 20 mil estudantes.

A cátedra de gestão em Organizações Públicas e Privadas dos países da CPLP é um importante meio de promoção e difusão de conhecimentos aplicados na área geral da Gestão de Organizações, no contexto dos países de língua portuguesa, estabelecendo pontes entre o domínio da investigação académica e actividades de gestão de organizações públicas e privadas.

O encontro serviu ainda para homenagear o ex-primeiro ministro de Cabo Verde, José Maria Neves, antigo estudante da Escola de Gestão Pública da FGV, que recebeu uma placa comemorativa por prestigiar a instituição ao ter demonstrado brilhantismo na gestão de três sucessivos governos do seu país, colocando o arquipélago na rota de Estado de rendimento médio e cumpridor a 100 porcento de todas as metas do milénio.

Criada por iniciativa da Fundação Getúlio Vargas do Brasil e do ISCTE de Portugal, a cátedra abarcará outras universidades da CPLP e incidirá o seu trabalho na investigação aplicada a seis áreas temáticas, nomeadamente Práticas de Administração Pública, Soluções Energéticas, Transportes e Logística, Cidades Inteligentes e Problemas Urbanos, Gestão de Recursos Hídricos e Parcerias Governo, Sociedade e Mercado. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA