Benguela: Aberta jornada comemorativa dos 111 anos da vila da Catumbela

Benguela: Vista parcial da Vila de Catumbela (Foto: Lucas Neto)

A jornada comemorativa dos 111 anos da vila da Catumbela, província de Benguela, a assinalar-se a 5 de Junho, foi aberta sexta-feira, em cerimónia presidida pelo seu administrador comunal, Armindo Cassoma.

Na ocasião, o resposnável apelou a participação dos munícipes nas acções previstas no programa comemorativo, que inscreve feira de artes, romagem ao cemitério municipal, missa de acção de graças, visita às empresas privadas locais, concurso escolar e um quadrangular de basquetebol.

O acto foi ainda marcado com uma palestra sobre “A malária e a febre-amarela, suas medidas de prevenção e combate”, tendo Armindo Cassoma sublinhado a sua importância devido a difícil situação sanitária que se vive actualmente.

A palestra foi orientada por três responsáveis da repartição local de Saúde, que esclareceram os presentes sobre a malária, consequências e métodos de combate.

Na ocasião, a supervisora do Planeamento Familiar, Maria Domingos Cassoma, apelou à necessidade de eliminação das águas paradas, ao uso de repelentes, mosqueteiros, bem como o recurso aos serviços de saúde como forma de combater o paludismo.

Já o supervisor de vigilância epidemiológica, Marcolino Tchilumbo, retratou a febre-amarela como uma doença infecciosa grave resultante do mosquito Aedes Aegypi que, quando infectado, pode transmitir a doença a terceiros.

Reprovou a recusa de alguns munícipes que ficaram sem apanhar a vacina devido a informações deturpadas que gente de má-fé foi propalando em diferentes círculos familiares e de amizade, desmotivando as pessoas menos avisadas.

Marcolino Tchilumbo disse que, para uma Catumbela saudável, as autoridades tradicionais deverão juntar-se a um grupo de técnicos da repartição de saúde que brevemente deverá realizar acções de esclarecimento e sensibilização de algumas zonas identificadas no sentido de recorrerem aos centros e postos médicos onde as vacinas ainda estão disponíveis.

Por seu lado, a médica Maria da Conceição referiu-se ao ponto focal da malária, fez uma descrição geral do funcionamento dos serviços de saúde, e chamou a atenção dos presentes pelo facto de Catumbela ter registado 5 casos positivos de febre-amarela.

Deu ainda a conhecer que existem no município meios de fumigação domiciliária, mas faltam recursos humanos para o seu manuseio, uma vez que existem apenas quatro técnicos nesta área de um mínimo de 20 necessários para atenuar a situação.

A vila da Catumbela conta, segundo dados do último censo, com mais de 167 mil habitantes distribuídos por quatro comunas: sede, Gama, Biopio e praia Bebe. Foi elevada à categoria de vila por Decreto de 5 de Junho de 1905. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA