BCP: CaixaBI destaca redução do risco ligado ao custo do crédito

(Negocios)

O menor contributo, para os resultados do BCP, da venda de dívida pública, é um dos aspectos negativos sinalizados pelos analistas do departamento de análise da Caixa Geral de Depósitos.

A equipa de “research” do CaixaBI considera que as contas trimestrais do BCP, apresentadas no dia 2 de Maio, são neutrais do ponto de vista da análise de demonstração de resultados.

O banco liderado por Nuno Amado reportou lucros de 46,7 milhões de euros nos primeiros três meses de 2016. Esse valor representou uma queda face aos 70,4 milhões do período homólogo do ano passado, mas ficou acima do que era esperado pelo consenso de analistas consultados pela Reuters – que apontavam para um lucro de 39 milhões de euros. Já os analistas do CaixaBI estimavam um resultado líquido de 43,3 milhões, pelo que também superou essas expectativas.

O “research” do CaixaBI destaca como elemento positivo o facto de o risco do custo do crédito, para o BCP, ter descido para 114 pontos base, com uma queda de 42% na entrada de crédito malparado em Portugal (127 milhões de euros, contra 218 milhões no primeiro trimestre de 2015).

Pela negativa, a análise salienta a evolução do capital, penalizado pela carteira de dívida soberana e pela desvalorização cambial em África (face ao euro).

Uma das razões para a queda dos lucros do BCP no trimestre passado, recorde-se, prendeu-se com o facto de o banco não ter tido tantas mais-valias com a venda de dívida pública portuguesa como no período homólogo do ano passado.

Contas feitas, o CaixaBI reitera a recomendação de “comprar” para as acções do BCP e mantém o preço-alvo nos 10 cêntimos por acção – o que lhe confere um potencial de subida de 169,5% face ao valor de fecho desta terça-feira (3,71 cêntimos).

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de “research” emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de “research” na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro. (Jornal de Negocios)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA