Bangladesh: Executado líder islâmico por crimes de guerra

(EURONEWS)

O Bangladesh executou esta terça-feira o líder do maior partido islâmico do país, condenado à morte por crimes de guerra cometidos em 1971 durante a guerra de independência do país com o Paquistão.

Motiur Rahman Nizami, líder do partido Jamaat-e-Islami, foi enforcado pouco antes da meia-noite local (19.00 em Lisboa) numa prisão da capital, Daca.

Nizami chefiava desde 2000 o Jamaat e foi ministro do governo apoiado pelos islâmicos entre 2001 e 2006.

Segundo a justiça bengalesa, era um dos principais instigadores da milícia islâmica pró-paquistanesa Al Badr, que assassinou médicos, intelectuais e jornalistas durante a guerra da independência em 1971.

Há receios de que esta execução possa originar reações violentas, até porque 86,6% da população é muçulmana.

Recentes assassínios de ativistas laicos e intelectuais foram atribuídos a militantes islâmicos.

Quando em 2013 foram condenados responsáveis do partido Jamaat-e-Islami por crimes de guerra, a sentença originou uma vaga de violência no país. Confrontos dos islamistas com a polícia resultaram na morte de cerca de 500 pessoas e milhares foram presas. (EURONEWS)

por Nelson Pereira

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA