Ban Ki-moon diz estar preocupado com situação na Guiné-Bissau

Ban Ki-moon (AP)

United Nations Secretary General Ban Ki-moon speaks during a side event entitled: “Mayor’s Focus Session: Cities’ Response to Migration” at the the World Humanitarian Summit in Istanbul, Tuesday, May 24, 2016.

O secretário-geral das Nações Unidas declarou estar “profundamente preocupado” com a situação política na Guiné-Bissau após a decisão do Presidente José Mário Vaz de nomear um novo primeiro-ministro.

Num comunicado divulgado nesta sexta-feira, 27, pelo gabinete do porta-voz de Ban Ki-moon, ele pede aos líderes políticos e seus simpatizantes que ajam de maneira responsável.

Neste particular, Ban Ki-moon recomendou o diálogo e pediu aos manifestantes que evitem actos de violência e uma escalada da situação.

Ban Ki-moon reiterou que a crise prolongada na Guiné-Bissau está a afectar o país e o bom funcionamento das instituições, além de minar os progressos e o desenvolvimento sócio-económico.

Por isso, ele apela os líderes a “acabarem com o impasse e a defenderem, de forma urgente, os interesses do povo da Guiné-Bissau com base na Constituição do país”.

O secretário-geral das Nações Unidas concluiu a nota elogiando o que chamou de “profissionalismo” das Forças Armadas nacionais no cumprimento dos deveres militares e pediu que continuem a agir de forma responsável.

Este posicionamento de Ban Ki-moon é divulgado horas depois de o Presidente da Guiné-Bissau ter dado posse a Baciro Djá como primeiro-ministro.

O Executivo de Carlos Correia demitido continua a ocupar o Palácio do Governo como “um acto de resistência democrática contra a ilegalidade do Presidente da República”, justificou à VOA o ex-ministro Agnelo Regala.

Há forças da Polícia Militar, da Guarda Nacional e da Polícia de Intervenção Rápida a protegerem o Palácio da República e o Palácio do Governo. (VOA)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA