Autoridades religiosas paquistanesas querem autorizar homens a bater nas esposas

O líder do Conselho da Ideologia Islâmica (CII), Maulana Muhammad Khan Sherani, participa de coletiva de imprensa, em Islamabad, no dia 26 de maio de 2016 (AFP)

Uma proposta de líderes religiosos paquistaneses para que os homens sejam autorizados a bater em suas esposas despertou indignação entre internautas nesta sexta-feira.

O Conselho da Ideologia Islâmica (CII) apresentou nesta semana seu projecto de lei, que permitiria, por exemplo, que um homem possa agredir sua esposa caso ela se recuse a manter relações sexuais sem justificativa religiosa.

A proposta é uma reacção à legislação progressista aprovada recentemente pela província de Pendjab, que concede mais direitos e protecções às mulheres.

“Um homem deve ser autorizado a bater em sua mulher se ela recusar suas ordens, recusar se vestir como quiser, declinar aos pedidos de relação sexual sem justificativa religiosa, e não se banhar depois de manter relações sexuais ou quando estiver menstruada”, diz o projecto de lei citado pela imprensa local.

O principal jornal em língua inglesa do país, Dawn, publicou um artigo satírico, fazendo um jogo de palavras com o verbo “sacudir”, que pode ser interpretado também como “bater”.

O jornal publicou uma lista de coisas que podem ser “sacudidas”, como uma embalagem de ketchup.

O projecto do CII, cujo papel é aconselhar os parlamentares, também foi criticado pela Comissão de Direitos Humanos, que o classificou de “ridículo” e pediu que essa comissão de islamitas seja dissolvida. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA